Lojas do Wal-Mart nos EUA começam a mostrar recuperação

O Wal-Mart vem registrando uma retomada contínua em suas lojas nos Estados Unidos após uma queda nas vendas que durou dois anos, o que coloca a maior varejista do mundo em uma posição confortável a caminho da temporada de festas de fim de ano.

REUTERS

13 Outubro 2011 | 08h52

As vendas nas lojas norte-americanas que abriram há pelo menos um ano cresceram por três meses seguidos, apesar dos clientes ainda não estarem gastando muito porque a crise econômica continua.

O desemprego ainda é a maior preocupação para os consumidores norte-americanos, afirmou o presidente-executivo da varejista, Mike Duke, durante encontro com investidores na quarta-feira.

"Ainda sentimos que o consumidor está frágil. O consumidor não sairá de casa para gastar sem pensar", disse o vice-presidente financeiro, Charles Holley.

As vendas em lojas abertas há pelo menos um ano subiram em julho, agosto e setembro, disse o presidente de conselho do Wal-Mart nos Estados Unidos, Bill Simon.

Como o preço da gasolina diminuiu, a divisão norte-americana do grupo, de longe a maior unidade, começou a apurar ligeira melhora nas vendas ao longo do mês, acrescentou Simon, em vez de crescer somente no começo do mês, quando os clientes recebem os salários e benefícios do governo.

As lojas abertas há pelo menos um ano respondem por cerca de 98 por cento das vendas do Wal-Mart nos Estados Unidos.

(Por Jessica Wohl)

Mais conteúdo sobre:
CONSUMO WALMART RECUPERA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.