Lucro da Ambev dispara 61% no 3o tri com ganho cambial

A AmBev anunciou nesta quinta-feira que seu lucro líquido disparou 60,9 por cento no terceiro trimestre, apoiado por um forte ganho gerado por variações cambiais sobre investimentos em moeda estrangeira. A companhia, que integra a segunda maior cervejaria do mundo, a InBev, informou lucro líquido de 949 milhões de reais nos três meses encerrados em setembro ante ganho um ano antes de 589,8 milhões de reais. A empresa registrou ganhos com instrumentos derivativos de 301,8 milhões de reais e uma variação cambial positiva sobre financiamentos de 342,8 milhões de reais contra uma variação negativa de 77,3 milhões de reais um ano antes. A geração de caixa medida pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) somou 2,03 bilhões de reais, ante 1,99 bilhão de reais no terceiro trimestre do ano passado. A margem ficou em 42,3 por cento, ante 43,1 por cento no mesmo período de 2007. A cervejaria informou uma alta de cinco por cento no volume de bebidas vendidas (cervejas e refrigerantes) para 34,44 milhões de hectolitros enquanto a receita avançou 3,6 por cento, para 4,8 bilhões de reais. "Estamos satisfeitos com a perfomance das nossas operações no Brasil que entregaram mais um trimestre de crescimento de Ebitda, apesar do ambiente econômico ainda apresentar desafios", informou a companhia no balanço. Além do Brasil, o destaque nos resultados da companhia ficou por conta das operações da unidade argentina Quinsa, que teve um aumento do Ebitda de 21,3 por cento em relação ao terceiro trimestre do ano passado. A receita líquida da unidade avançou também 21,3 por cento enquanto as vendas em volume subiram 12,9 por cento. Porém, nas operações latino-americanas (chamadas pela empresa de Hila-ex), o Ebitda ficou negativo em 32,8 milhões de reais, pressionado por dificuldades na Venezuela. "A região continua sendo impactada por um ano muito difícil na Venezuela. Nosso foco na Venezuela é assegurar que temos os planos e os recursos corretos para melhorar nossos resultados em 2009, contribuindo com objetivo de curto prazo de entregar neutralidade em Ebitda", informou a AmBev. Na América do Norte, embora tenha ficado positivo, o Ebitda apresentou recuo de 17,5 por cento na comparação anual, a 395,3 milhões de reais, afetado por aumento de dois dígitos nos preços de commodities e aumento de gastos com marketing e distribuição, informou a empresa. (Reportagem de Alberto Alerigi Jr.; Edição de Vanessa Stelzer)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.