Lula diz que corta custeio e mantém investimento contra a crise

Após 12 dias de férias, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta segunda-feira que o governo precisa manter o investimento para impedir que a crise financeira internacional chegue com mais força no país. "Neste momento, nós vamos dizer o seguinte: tudo que for possível cortar em custeio, não tenham dúvidas que vamos fazer. Mas tudo que for possível colocar para gerar um posto de trabalho na construção civil, na habitação, nas ferrovias e rodovias, vamos fazer", disse Lula em discurso a empresários e autoridades na abertura da 36a Couromoda, feira de artefatos de couro. Lula manteve o discurso otimista, voltou a dizer que o país está preparado para enfrentar a crise e que o governo deve apresentar novas medidas ainda este mês. Explicou que seu otimismo se deve ao fato de ser corintiano, católico, brasileiro, e Presidente da República. Segundo Lula, os Estados Unidos e a Europa têm que resolver seus problemas internos, já que o Brasil tem equilíbrio nas contas públicas, na inflação, no consumo interno e no fornecimento de matéria-prima. "Temos um país mais arrumado que os outros para enfrentar a crise", afirmou. Lula previu a possibilidade de uma convulsão social se os países envolvidos na crise não tomarem medidas urgentes. "Japão, França e Alemanha, todos os países que estão mais diretamente envolvidos na crise, sabem que ela não pode perdurar muito tempo porque com a consequência do desemprego nesses países nós corremos o risco de uma convulsão social, que o mundo desenvolvido não esperava que acontecesse no século 21", declarou. Lula se mostrou confiante com a posse do presidente eleito dos EUA, Barack Obama, no próximo dia 20, mas alertou que ele tem um grande desafio pela frente. "O presidente Obama está com um pepino muito grande. Ele não pode perder tempo para resolver a crise", disse. Lula afirmou que vai participar de um encontro de líderes em abril, quando voltará a cobrar controles mais rígidos para o mercado financeiro. "Porque tem gente que ganhou dinheiro sem produzir um prego para sapato, só com especulação", afirmou. Após o discurso, Lula passeou pelos estandes da Couromoda e após ganhar um par de sapatos, brincou de arremessar um pé nos jornalistas que o acompanhavam, invertendo a situação vivida pelo presidente dos EUA, George W. Bush, no Iraque.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.