McCain critica Bush por resposta à devastação do furacão Katrina

O candidato republicano à CasaBranca, John McCain, fez na quinta-feira duras críticas à"terrível e constrangedora" reação do governo Bush ao furacãoKatrina, em 2005, prometendo que isso nunca vai se repetir. Mostrando distância em relação ao presidente George W.Bush, também republicano, McCain disse que não o criticaria pornão ter ido imediatamente a Nova Orleans depois da tragédia. "Só estou dizendo que eu teria pousado meu avião na baseaérea mais próxima e vindo pessoalmente", acrescentou ele ajornalistas depois da visita. Dois dias depois da passagem do furacão que devastou acidade, Bush a sobrevoou, voltando de uma viagem à Costa Oeste.Só muitos dias depois, sob revolta popular, o presidente pôs ospés em Nova Orleans. Na quinta-feira, McCain visitou o bairro do Baixo NinthWard, um dos mais afetados pelo desastre. "Quero assegurar àspessoas do Ninth Ward, ao povo de Nova Orleans, ao povo destepaís: nunca mais, nunca mais um desastre desta natureza serátratado da maneira terrível e constrangedora como foi tratado.Nunca mais", afirmou. McCain busca o eleitorado moderado, aproveitando-se dadisputa entre Barack Obama e Hillary Clinton pela indicação doPartido Democrata. Em seus discursos, vem dizendo que mereceser eleito porque vai cortar gastos públicos, mas afirmou queestá disposto a liberar bilhões de dólares para fortalecer osistema de barragens de Nova Orleans, para que resistam afuracões da categoria 5, e reconstruir ilhas e manguezais queservem de proteção em relação às águas do golfo do México. O Partido Democrata acusou o senador de ter votado contraverbas emergenciais para a área. "Quando John McCain estáfazendo campanha em Nova Orleans, será que vai explicar aoseleitores por que votou contra as verbas de emergência para aárea e contra dar às vítimas do Katrina acesso ao Medicaid[programa de saúde pública] e benefícios do desemprego?",questiona a cúpula do partido em email a jornalistas. Questionado sobre isso em seu ônibus, McCain disse que osvotos foram contra pacotes legislativos que incluíam "gastosdesnecessários e emendas casuísticas". Prometeu vetar esse tipode emenda orçamentária caso seja eleito, para que o Congressotenha de gastar o dinheiro em projetos mais importantes, como ode Nova Orleans. De acordo com McCain, os EUA devem se preparar para novosfuracões da categoria 5, porque isso pode ficar mais frequentedevido ao aquecimento global. Após percorrer o bairro Ninth Ward, um dos mais afetadospelo Katrina, McCain disse que a burocracia do governo aindaprejudica a recuperação da área. Com uma grande comitiva, que incluía sua esposa, Cindy, ogovernador da Louisiana, Bobby Jindal, e dois caminhões daGuarda Nacional cheios de jornalistas, McCain percorreu casasainda desabitadas, algumas com pilhas de entulho na frente. O casal McCain também viu trailers da Agência Federal deEmergências, que haviam servido como refúgios temporários, maslevam até um mês para serem retirados depois que as famíliasvoltam para suas casas. "Levou uma eternidade para chegar aqui, e aí levam umaeternidade para retirá-los", queixou-se o republicano Jindal.McCain balançou a cabeça várias vezes, incrédulo, e disse:"Minha Nossa!"

STEVE HOLLAND, REUTERS

24 de abril de 2008 | 17h38

Tudo o que sabemos sobre:
EUAELEICAOMCCAINKATRINA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.