Alessandro Bianchi /Reuters
Alessandro Bianchi /Reuters

Movimento 5 Estrelas busca mandato para governar Itália

Beppe Grillo disse que seu partido se recusaria a apoiar um voto de confiança a qualquer governo

Reuters

21 de março de 2013 | 08h09

ROMA - O partido Movimento 5 Estrelas, do ex-comediante Beppe Grillo, pediu ao presidente Giorgio Napolitano por um mandato para formar um governo italiano, afirmou nesta quinta-feira, 21, uma autoridade do partido.

"O Movimento 5 Estrelas foi o primeiro em número de votos e a principal força política nas últimas eleições. Por esta razão, pedimos permissão oficialmente para formar um governo para iniciar nosso programa", afirmou a líder do partido na Câmara, Roberta Lombardi, a jornalistas, após reunião com Napolitano.

O líder do partido no Senado, Vito Crimi, disse que o Movimento tinha proposto uma plataforma de políticas, incluindo um referendo sobre o futuro da Itália no euro, durante a reunião que faz parte de uma série de consultas que o presidente italiano está realizando para viabilizar a formação de um governo, após a inconclusiva eleição do mês passado.

Os dois parlamentares recusaram-se a informar quem seria o candidato do partido para primeiro-ministro.

Também nesta quinta, Grillo disse que o partido se recusaria a apoiar um voto de confiança a qualquer governo que não seja liderado por seu Movimento 5 Estrelas, diminuindo as perspectivas para a formação de um novo governo. "O 5 Estrelas não vai dar um voto de confiança a um governo político ou pseudotécnico ... O 5 Estrelas, em vez disso, irá votar pelas leis que fazem parte do nosso programa", escreveu o ex-comediante em seu blog, depois do pedido do movimento a Napolitano.

Um voto de confiança da maioria no Parlamento é necessária para formar qualquer governo. O Movimento 5 Estrelas foi o partido único que recebeu mais votos na eleição, mas ficou atrás das coalizões de centro-esquerda e de centro-direita na votação. Nenhum grupo obteve a maioria necessária no Parlamento para formar um governo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.