MPE denuncia seis por desabamento de prédio no Rio

Acidente ocorrido há quase um ano causou a morte de 22 pessoas

Fabio Grellet, O Estado de S. Paulo

24 de janeiro de 2013 | 19h42

RIO - Um dia antes de completar um ano o desabamento do edifício Liberdade e de outros dois prédios vizinhos, no centro do Rio, o Ministério Público Estadual denunciou nesta quinta-feira, 24, seis pessoas pelo acidente, que causou a morte de 22 pessoas. Eles são acusados pelo crime de desabamento ou desmoronamento, previsto no artigo 256 do Código Penal.

O promotor Alexandre Murilo Graça se baseou no inquérito concluído em maio pela Polícia Federal (PF), que atribuiu o desabamento a reformas irregulares realizadas pela empresa TO Tecnologia Organizacional no 9º andar do prédio. Foram denunciados Sérgio Alves de Oliveira, sócio e administrador da empresa; Cristiane Azevedo, funcionária administrativa da TO; Gilberto Figueiredo Castilho Neto, André Moraes da Silva, Wanderley Muniz da Silva e Alexandro da Silva Fonseca Santos, que executaram a obra, como mestres de obra e pedreiros.

O inquérito da PF também responsabiliza o síndico do edifício, Paulo Renha, de 83 anos. Mas ele sofreu uma parada cardíaca e morreu nesta quinta, e por isso não foi denunciado. O desabamento foi investigado pela PF porque os prédios que desabaram eram vizinhos do Theatro Municipal e o acidente teria abalado o imóvel, que é protegido pela União. O inquérito foi encaminhado ao Ministério Público Federal, que não denunciou ninguém alegando que não ficou provado nenhum prejuízo ao Theatro e que, por isso, a denúncia caberia ao Ministério Público Estadual.

Mais conteúdo sobre:
prédiodesabamentoRio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.