MPT resgata 8 carvoeiros em trabalho degradante em SP

A Superintendência Regional do Trabalho e Emprego em São Paulo e o Ministério Público do Trabalho (MPT) resgataram hoje oito trabalhadores mantidos em condições degradantes numa carvoaria clandestina em Pirajuí, a 398 quilômetros da capital paulista. Uma mulher que se apresentou como responsável pelo negócio afirmou que ali seria produzido carvão para atender a fazendas da região. Dos oito trabalhadores encontrados, três operavam 16 fornos. Nenhum deles tinha registro em carteira e nem usava equipamentos de proteção individual. Eles também não souberam dizer quanto receberiam pelo serviço. O local não contava com água potável e instalações sanitárias. O alojamento dos funcionários e da responsável pela carvoaria ficava a 1,5 km dos fornos, na área da Fazenda Reunidas. A carvoaria foi interditada e os trabalhadores, encaminhados ao posto do Ministério do Trabalho e Emprego na cidade. A Fazenda Reunidas e Santo Antônio Dourado serão responsabilizadas pelas más condições impostas aos trabalhadores. "Tudo indica que se trata de uma situação de terceirização irregular porque essa pessoa que se diz responsável pela operação não tem condição legal para assumir o trabalho", afirmou o coordenador da operação, o auditor fiscal Mário Tanaka.

ELVIS PEREIRA, Agencia Estado

06 de junho de 2008 | 16h55

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.