Mulher morre após ter aborto recusado e causa polêmica na Irlanda

Médicos recusaram pedido mesmo após sintomas de aborto espontâneo; governo abriu inquérito.

BBC Brasil, BBC

14 de novembro de 2012 | 12h06

Uma mulher morreu em um hospital da Irlanda após ter seu pedido de aborto recusado pelos médicos.

A gravidez de Savita Halappanavar, de 31 anos, tinha passado dos quatro meses e ela pediu várias vezes aos funcionários do Hospital da Universidade de Galway para que o aborto fosse realizado, pois sentia dores fortes nas costas e já apresentava sintomas de um aborto espontâneo, quando a mãe perde a criança de forma natural.

Mas, de acordo com declarações do marido de Savita, Praveen Halappanavar, os funcionários do hospital disseram que não poderiam fazer o procedimento justificando "enquanto houvesse batimento cardíaco do feto" o aborto não era possível.

O aborto é ilegal na Irlanda a não ser em casos de risco real para a vida da mãe. O procedimento é tradicionalmente um assunto muito delicado no país cuja maioria da população é católica.

O que o inquérito aberto pelo governo irlandês deve averiguar é a razão pela qual a equipe do hospital julgou que a vida de Savita não estava em risco.

"Savita estava agonizando. Ela estava muito abalada, mas aceitou que estava perdendo o bebê", disse Praveen ao jornal The Irish Times.

"Quando o médico veio na segunda-feira pela manhã, Savita perguntou se, caso eles não pudessem salvar o bebê, poderiam encerrar a gravidez."

"O médico disse: 'Enquanto ouver batimento cardíaco, não podemos fazer nada'", afirmou.

Savita morreu no dia 28 de outubro e uma autópsia realizada dois dias depois concluiu que a causa da morte foi septicemia (infecção generalizada).

Praveen Halappanavar levou o corpo de volta ao país natal do casal, a Índia, para o funeral.

O Hospital da Universidade de Galway informou que vai realizar uma investigação interna e afirmou que não pode comentar casos individuais, mas vai cooperar com o inquérito sobre a morte de Savita.

O Serviço de Saúde da Irlanda também lançou uma investigação a respeito da morte da paciente. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.