Naouri, do Casino, presidirá holding de controle do Pão de Açúcar

O varejista francês Casino exerceu nesta segunda-feira a opção de compra de uma ação ordinária da Wilkes, holding de controle do Pão de Açúcar, passando a deter a maioria das ações com direito a voto de emissão da Wilkes, segundo comunicado à imprensa.

REUTERS

14 Maio 2012 | 19h27

A aquisição da ação está condicionada ao não exercício, pelo atual presidente do Conselho do Pão de Açúcar, Abilio Diniz, da sua primeira opção de venda, até 2 de agosto, que obriga o Casino a adquirir um milhão de ações com direito a voto de emissão da Wilkes.

Além disso, o varejista francês informou que enviou uma notificação a Diniz informando-o de sua decisão de nomear Jean Charles Naouri, presidente-executivo e do Conselho de Administração do Casino, como chairman da Wilkes.

Em março, a empresa francesa já havia informado que iria exercer o direito de nomear o chairman da Wilkes. Atualmente, o comando da holding que controla o Pão de Açúcar é compartilhado, mas o Casino tem a opção este ano, pelo acordo de acionistas, de indicar o chairman da Wilkes.

"Com a eleição de Jean Charles Naouri para a presidência do Conselho de Administração da Wilkes, a ser realizada em Assembleia Geral de Wilkes programada para ocorrer em 22 de junho de 2012, haverá uma mudança na estrutura de governança corporativa do Grupo Pão de Açúcar, de acordo com a qual Casino se tornará o seu único acionista controlador", informou a empresa francesa no comunicado.

O varejista também confirmou o exercício de seu direito de nomear a maioria do Conselho de Administração do Grupo Pão de Açúcar, que deverá começar a funcionar com nova composição a partir do dia 22 de junho.

O Casino é sócio do Pão de Açúcar desde 1999 e o peso da operação brasileira em seus resultados vem ganhando peso, diante da estagnação da economia na Europa e crescimento no Brasil.

Nos últimos anos, o Pão de Açúcar liderou um movimento de consolidação no varejo brasileiro, ampliando sua presença no mercado ao adquirir as redes Ponto Frio e Casas Bahia, entre outros ativos.

Em 2011, Diniz tentou equacionar uma fusão do Pão de Açúcar com o Carrefour no Brasil. A operação foi abortada duas semanas após ter sido anunciada, diante de críticas do sócio Casino e de questionamentos a alguns pontos do plano, entre eles o apoio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Desde então, Naouri vem afirmando que o Casino exerceria o direito de assumir o controle do Pão de Açúcar.

(Por Roberta Vilas Boas)

Mais conteúdo sobre:
VAREJOCASINOPCAR4*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.