Ninguém é indiciado por acidente em trio elétrico em MG

O Ministério Público Estadual (MPE) pediu o arquivamento do processo sobre a morte de 16 pessoas em uma festa pré-carnavalesca em Bandeira do Sul, em Minas Gerais. O MPE seguiu a linha de raciocínio da Polícia Civil, que concluiu o inquérito aberto para investigar o caso sem apontar culpados. Além dos mortos, o acidente deixou mais de 50 feridos.

MARCELO PORTELA, Agência Estado

16 Junho 2011 | 15h28

O fato ocorreu em 27 de fevereiro, durante a apresentação de um trio elétrico no encerramento do chamado "Carnaband". Um curto-circuito levou ao rompimento de três cabos da rede elétrica na Praça Nossa Senhora Aparecida, a principal da cidade de 5,3 mil habitantes. Dois cabos caíram no solo e um sobre o trio elétrico, com descargas de mais de 7 mil volts. O acidente levou à proibição no Estado do comércio de serpentinas metalizadas, material que teria causado o curto-circuito.

Em seu parecer, o promotor Glaucir Antunes, da Promotoria de Justiça de Poços de Caldas, concordou com a conclusão do inquérito policial, de que não houve crime. Até esta tarde, a Justiça ainda não havia se manifestado. Um possível arquivamento do processo não exclui a possibilidade de as pessoas que ficaram feridas e parentes dos mortos ajuizarem ações cíveis.

Mais conteúdo sobre:
trio elétrico mortes investigação MPE MG

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.