André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Oposição espera mudar votos na CCJ com delação

Divulgação dos vídeos com depoimento de Funaro e busca e apreensão no gabinete e na residência de Lúcio Vieira Lima deram novo fôlego aos parlamentares para trabalhar pela admissibilidade da 2.ª denúncia contra Temer

Daiene Cardoso, O Estado de S.Paulo

17 Outubro 2017 | 05h00

BRASÍLIA - A divulgação dos vídeos da delação premiada do operador Lúcio Funaro e a busca e apreensão no gabinete e na residência do deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA) deram novo fôlego à oposição para trabalhar pela admissibilidade da segunda denúncia contra o presidente Michel Temer na Câmara. 

+++Em carta a parlamentares para se defender, Temer fala em 'conspiração' para derrubá-lo

+++Procuradoria vê ‘indícios’ de ligação de Lúcio com ‘recolhimento e guarda’ dos R$ 51 mi

A estratégia da oposição será explorar os acontecimentos na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), incluindo a exibição dos vídeos de Funaro durante a sessão de debates, prevista para começar nesta terça-feira, 17. A reunião no colegiado, no entanto, corre o risco de não ser realizada se não houver quórum no plenário principal para a segunda sessão do prazo regimental do pedido de vista.

O deputado Júlio Delgado (PSB-MG), articulador da oposição na CCJ, disse contabilizar agora 36 votos pela rejeição da denúncia contra 28 votos pelo prosseguimento do processo. Até a semana passada, os governistas diziam ter entre 38 a 44 votos a favor de Temer. “Esse placar vai se alterar muito mais”, disse Delgado. 

Otimismo. Para o vice-líder do governo na Câmara, Beto Mansur (PRB-SP), os últimos acontecimentos não alteram o cenário pró-governo. “Temos um número de votos consolidado”, afirmou. Vice-líder da bancada do PMDB na Câmara, o deputado Mauro Pereira (RS) disse que o impacto dos vídeos de Funaro na base aliada é “zero”.

Dono da quinta bancada na Câmara, com 39 parlamentares, o PSD oficializou a troca de dois dos quatro titulares na CCJ. As mudanças devem ajudar Temer. A primeira troca foi do deputado Delegado Éder Mauro (PA), que era titular e passou a suplente. Na vaga, o PSD indicou Edmar Arruda (PA). A segunda alteração foi passar Expedito Netto (RO) de titular para suplente e colocar Evandro Roman (PR). / COLABOROU IGOR GADELHA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.