Pai encontra filho de 3 anos morto em porta-malas

Família não sabe como o garoto conseguiu entrar e se trancar

Ricardo Valota e Daniela do Canto, O Estadao de S.Paulo

24 Dezembro 2009 | 00h00

Uma criança de 3 anos foi encontrada morta dentro do porta-malas do carro da família, pelo próprio pai, na noite de anteontem em Várzea Paulista, a 54 quilômetros de São Paulo. Os familiares do menino Joabe Júnior da Cruz Silva afirmaram à polícia que não sabem como o garoto conseguiu se trancar no porta-malas do veículo. A ocorrência foi registrada no plantão policial da delegacia da cidade como "morte a esclarecer" e um inquérito será aberto para investigar o caso.

O pai, o motorista Joabe Gomes da Silva, de 41 anos, contou à polícia que saiu com o carro, um Vectra cinza, na manhã de anteontem. Ele deixou o veículo estacionado na frente da Viação Mimo, empresa onde trabalha, no Distrito Industrial.

Horas depois, Gomes voltou para casa, na Vila Real, e almoçou com a família. No início da tarde, ele e a mulher teriam notado que o garoto havia sumido. "Meu filho brincava com os irmãos e mais ou menos por volta das 14 horas sentimos a falta dele", contou o motorista aos policiais civis.

Atrasado para retomar o serviço, o motorista pediu que a mulher procurasse pela criança e voltou à empresa onde trabalha. No final do expediente, antes de retornar para casa, o motorista abriu o porta-malas do veículo e encontrou a criança, já desacordada.

Gomes levou o filho ao Hospital da Cidade (HC), na Vila São José. Segundo informações da Polícia Civil, Joabe foi atendido pelo médico Samuel Habencon, que constatou a morte da criança, possivelmente por desidratação aguda ou asfixia.

Policiais militares da 3ª Companhia do 49º Batalhão foram acionados e encaminharam Gomes à delegacia, onde ele prestou depoimento. A Polícia Civil vai investigar se a criança, em algum momento, teve acesso às chaves do veículo. Além disso, vão averiguar como o menino conseguiu se trancar no porta-malas.

O corpo de Joabe estava, na tarde de ontem, no Instituto Médico-Legal (IML) do Cemitério Nossa Senhora do Montenegro, em Jundiaí, onde passava pela necropsia. O local e o horário do velório e do enterro ainda não foram definidos pela família.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.