Partido do governo do Iêmen aceita plano para saída de Saleh

O partido do governo do Iêmen disse no sábado que aceitava o plano político para que o presidente Ali Abdullah Saleh renuncie em algumas semanas, e a oposição também gostou dos principais pontos da iniciativa do Golfo Árabe.

MOHAMED SUDAM E MOHAMMED GHOBARI, REUTERS

23 de abril de 2011 | 18h52

Protestos no Iêmen, inspirados pelas revoltas que derrubaram os lideres do Egito e da Tunísia, estão agora no seu terceiro mês e levam dezenas de milhares de pessoas às ruas quase todos os dias, exigindo o fim da corrupção e da pobreza endêmica.

Dezenas de manifestantes foram mortos.

"O partido do governo informou aos ministros das Relações Exteriores da CCG (Conselho de Cooperação do Golfo) que aceitam completamente a iniciativa do Golfo Árabe," disse à Reuters Tariq Shami, o porta-voz do partido.

Depois de anos de apoio a Saleh, como um baluarte contra a instabilidade regional e as atividades do braço iemenita da al Qaeda, a Arábia Saudita e os EUA começaram a pressioná-lo para negociar com a oposição para entregar-lhes o poder.

O plano do Conselho de Cooperação do Golfo, determina que Saleh entregará o poder ao seu vice-presidente um mês depois que um acordo for assinado com as forças da oposição, e ele receber garantias de imunidade para ele, sua família e seus assessores.

Não houve comentários do CCG.

Mais conteúdo sobre:
IEMENSALEH*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.