PM e camelôs entram em confronto na Av. do Estado

Os policiais militares usaram bombas de gás lacrimogêneo e balas de borracha para dispersar os vendedores ambulantes que bloqueavam a Avenida do Estado junto à Rua São Caetano, no centro da cidade de São Paulo. Os camelôs protestam desde ontem contra a fiscalização ao comércio na região da Feira da Madrugada.

PEDRO ROCHA E RICARDO VALOTA, Agência Estado

26 de outubro de 2011 | 07h48

Por volta das 7 horas, os ambulantes colocaram fogo em pneus e colchões para interditar a via, no sentido centro. A tropa de choque chegou ao local pelo outro sentido da via e foi recebida com pedras jogadas pelos manifestantes.

Mais cedo, os camelôs e a PM já haviam entrado em confronto na Rua Oriente, onde, por volta das 5h45, balas de borracha e bombas de efeito moral foram utilizadas pelos policiais para dispersar os manifestantes. Segundo a Polícia Militar, houve "uma quebra de ordem" por parte dos camelôs, que tentaram romper a barreira feita pelos policiais, atearam fogo em algumas lixeiras e tentaram fazer o mesmo em um ônibus.

"Os manifestantes jogaram garrafas contra os policiais em dois pontos, na Rua Henrique Dias e na esquina da Rua São Caetano com a Monsenhor Andrade, e tentaram jogar um coquetel molotov dentro de um ônibus de uma empresa particular, em frente à igreja do Pari. Por dois momentos, também tentaram bloquear novamente a Avenida do Estado", relatou o major Marcelo Pignatari, comandante do 11º Batalhão, que coordena a ação da PM na região.

Em uma reunião na Rua Oriente por volta das 3 horas, os líderes dos ambulantes ainda prometeram que não iriam deixar os comerciantes da lojas da região abrirem as portas a partir das 7 horas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.