Arquivo Pessoal
Arquivo Pessoal

Polícia conclui que assassinato de capoerista na Bahia foi cometido por discussão política

Moa do Katendê foi morto com 12 facadas após declarar voto no PT após o primeiro dar eleições 2018; autor do crime, que está preso, apoiava candidato Jair Bolsonaro (PSL)

Yuri Silva, O Estado de S.Paulo

17 Outubro 2018 | 21h20

SALVADOR - O inquérito da Polícia Civil da Bahia que investigava o assassinato do mestre de capoeira, ativista cultural negro e fundador do afoxé Badauê Romualdo Rosário da Costa, 63, conhecido como Moa do Katendê, concluiu que o crime, praticado por um admirador do presidenciável Jair Bolsonaro, foi cometido por causa de uma discussão político-partidária.

A informação foi divulgada nesta quaarta-feira, 17, pelo Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP) e o inquérito enviado ao Ministério Público da Bahia (MP-BA), que agora terá que decidir se oferecerá denúncia à Justiça ou não.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública do Estado, o barbeiro Paulo Sérgio Ferreira de Santana, 36, desferiu 12 facadas contra Moa do Katendê em um bar de Salvador após o capoeirista defender seu voto no candidato do PT ao Palácio do Planalto, Fernando Haddad, e criticar o candidato do PSL à Presidência da República Jair Bolsonaro.

A versão já havia sido admitida pelo próprio autor do crime, que está detido desde o dia do assassinato, na madrugada do dia 8 de outubro, após o primeiro turno das eleições 2018. Ele teve prisão preventiva decretada no dia 10 de outubro e encontra-se no Presídio da Mata Escura, no Complexo Penitenciário de Salvador. A decisão de manter o barbeiro preso foi tomada, na semana passada, pelo juiz Horácio Pinheiro, que considerou que havia "prova de existência do crime" e "indício suficiente de autoria".

Agora, a polícia informou no inquérito que a versão do assassinato por motivações políticas foi confirmada pelo dono do bar e por outras testemunhas. Segundo a SSP, após confessar o crime logo após a prisão, o barbeiro Paulo Sérgio afirmou, em depoimento, que não cometeu o crime por conta da divergência política, mas sim porque foi xingado após se desentender com o capoeirista durante uma discussão sobre eleições.

Um primo do mestre de capoeira, que tentou defendê-lo do ataque a facas, também foi ferido na ocasião. Germinio Pereira tem 51 anos e foi atingido no braço, mas passa bem. O autor do crime, contaram testemunhas em depoimento, chegou ao bar declarando voto no capitão da reserva, presidenciável do PSL, e disse que "o Brasil precisa se livrar do PT".

Em nota, a Polícia Militar da Bahia (PM-BA) informou que, quando foi encontrado, Paulo Sérgio já estava com uma mochila com roupas no intuito de fugir. Caso seja indiciado, o barbeiro vai responder por homicídio e tentativa de homicídio.

Ele tinha outras duas passagens pela polícia, segundo a SSP. Em 2009, ameaçou uma criança de 14 anos com uma tesoura após ser abordado pelo garoto, que pedia esmola. Em 2014, se envolveu em uma briga de rua.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.