Prejuízos da seca no NE devem superar R$ 12 bi

Na Câmara, ministro da Integração Nacional afirma que estiagem pode ser a pior dos últimos 40 anos; governo está tomando medidas, diz

EDUARDO BRESCIANI / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

23 Maio 2012 | 03h04

O ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra Coelho, estimou que os prejuízos para a agropecuária do Nordeste com a seca que afeta a região podem superar R$ 12 bilhões. Bezerra disse que o governo federal tem tomado medidas para tentar atenuar as dificuldades enfrentadas.

"Nós tivemos severas perdas agrícolas e pecuárias e estamos estimando que a perda no PIB agropecuário do Nordeste será superior a R$ 12 bilhões", disse o ministro, após participar de audiência na Câmara dos Deputados sobre a transposição do Rio São Francisco.

De acordo com Bezerra, o temor é de que a seca seja ainda mais rigorosa. "Os meteorologistas informam que esta deverá ser uma das mais severas secas dos últimos 40 anos. Estamos atentos, e o governo tomará as medidas necessárias."

De acordo com o ministro, o governo já contratou 2,6 mil carros-pipa. Bezerra afirma que está sendo oferecido milho a preço subsidiado para que pequenos produtores consigam alimentar seus rebanhos e, assim, reativar a economia da região.

"A presidente Dilma está antecipando o pagamento do Garantia Safra e vamos começar a pagar no início de junho o Bolsa-Estiagem. Estamos também começando a contratar e liberar recursos por meio do crédito emergencial e R$ 1 bilhão estará à disposição dos pequenos agricultores e de outros produtores. Essas medidas podem ser suficientes para injetar ânimo na região", afirmou o ministro.

Transposição. Apontada como uma das soluções estruturais para o problema da seca, a obra de transposição do Rio São Francisco segue com dificuldades.

Segundo o ministro, 4 dos 16 lotes da obra ainda estão paralisados, mas ele acredita que no final de 2012 a construção atingirá seu ritmo máximo. O Estado revelou, em dezembro, que a obra estava em ritmo lento e o custo havia explodido para que os trabalhos fossem retomados.

Durante a audiência pública, o ministro foi confrontado pelo deputado Vanderlei Macris (PSDB-SP) sobre a liberação de recursos. Dados levantados pelo PSDB mostram que somente 2,2% do Orçamento de 2012 destinado à obra foi gasto de fato.

O ministro argumentou que a obra está sendo levada adiante com recursos de restos a pagar de anos anteriores e disse que R$ 220 milhões foram liquidados em 2012. Bezerra afirmou que novas licitações estarão em andamento até setembro, e o governo poderá ter de pedir mais recursos para atender os novos contratos. Questionado sobre o crescimento do valor estimado da obra, atualmente em R$ 8,2 bilhões, ele admitiu que o montante poderá subir por causa do reajuste dos contratos até 2015, quando o empreendimento deverá estar concluído.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.