Presidente deve ser reeleito na Câmara

Será o 4.º mandato de Antonio Carlos Rodrigues, líder do Centrão

Diego Zanchetta, O Estadao de S.Paulo

15 Dezembro 2009 | 00h00

Líder do centrão - grupo de partidos que se uniu na Câmara Municipal de São Paulo, a partir de 2003, para ser o fiel da balança nas votações que opõem PSDB e PT -, o vereador Antonio Carlos Rodrigues (PR), de 59 anos, deve ser reeleito hoje, às 11h, para um inédito quarto mandato no comando do maior Legislativo municipal do País, com previsão orçamentária de R$ 399,3 milhões em 2010. Apesar de Rodrigues estar envolvido em novas denúncias , lideranças tucanas, petistas e o próprio governo do prefeito Gilberto Kassab (DEM) apoiam a reeleição.

O grupo capitaneado por Rodrigues reúne 30 parlamentares de PR, PV, PTB, DEM, PP, PSB e PMDB e é reconhecido pelos líderes de outras bancadas como a principal força da Casa. Na prática, pela regra de proporcionalidade adotada nas câmaras municipais de outras capitais, na Câmara dos Deputados e no Senado, seria o partido de maior bancada, o PSDB, com 13 vereadores, que deveria ocupar a presidência. O PT, com 11 parlamentares, a segunda maior bancada, decidiu apoiar novamente Rodrigues por considerar que "ele respeita o regimento interno". Já para o líder do PSDB, Carlos Alberto Bezerra, a reeleição foi um entendimento dos líderes e o reconhecimento das principais forças da Câmara Municipal.

Os líderes não veem empecilho no fato de o presidente ser alvo de processos judiciais nos quais é acusado de ter cometido improbidade administrativa, quando era presidente da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU), em 1992. Rodrigues também recebeu, nas últimas eleições, segundo o Ministério Público Eleitoral, doação ilegal de R$ 240 mil da Associação Imobiliária Brasileira (AIB), entidade fantasma acusada de agir a favor do mercado imobiliário.

Na mais recente denúncia, divulgada na semana passada, ele é suspeito, segundo a Polícia Federal, de ter recebido propina para aprovar a liberação de uma obra junto ao Departamento do Patrimônio Histórico da Prefeitura. Rodrigues nega todas as acusações.

O centrão indica cargos nas subprefeituras e, como contrapartida, seus parlamentares votam favoravelmente aos projetos do governo. Rodrigues, por exemplo, indica cargos e obras que devem ser realizadas pela Subprefeitura do Campo Limpo, na zona sul.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.