''Problema não é estudar fora, mas a qualidade do curso''

O Conselho Federal de Medicina (CFM) estima que pelo menos 5 mil brasileiros tenham feito faculdade de Medicina no exterior. "O problema não é estudar fora, mas a qualidade das faculdades", diz Renato Fonseca, do Conselho Regional de Medicina do Acre. Fonseca afirma que, mesmo sem diploma validado, muitos médicos formados no exterior conseguem trabalhar, clandestinamente, no País.

Lígia Formenti, O Estado de S.Paulo

28 de dezembro de 2010 | 00h00

"Muitas vezes, nem clandestinos são", diz. Ele se refere a um acordo do Ministério Público que permitia que 15 médicos sem diploma reconhecido trabalhassem em cidades do Acre com falta de profissionais. O acordo foi derrubado na Justiça.

Em São Paulo, médicos ingressam com liminares para exercer a profissão sem o diploma reconhecido. Dos 148 processos acompanhados pelo Cremesp, 75% são de profissionais que estudaram Medicina em outros países (principalmente Bolívia, Cuba e Argentina).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.