PT isola PSD na disputa pela Câmara de SP

A bancada do PT na Câmara Municipal conseguiu as assinaturas de 42 dos 55 vereadores eleitos para o documento em que o partido defende a proporcionalidade das bancadas para a composição da Mesa Diretora na próxima legislatura. Na prática, isolou o prefeito Gilberto Kassab (PSD) que, para manter poder sobre o Legislativo a partir do ano que vem, tentava fazer um presidente de sua confiança ou então combinar com os petistas um rodízio na presidência da Casa. Com 11 vereadores eleitos, o PT tem a maior bancada e deve fazer o próximo presidente - o vereador José Américo.

FERNANDO GALLO, Agência Estado

03 Dezembro 2012 | 08h50

Onze partidos se comprometeram com o documento, inclusive o PSDB que, embora vá fazer oposição ao prefeito eleito, Fernando Haddad (PT), compôs com os petistas porque, com nove vereadores, tem a segunda maior bancada da Câmara e deve ficar com a primeira-secretaria da Mesa. Até agora não assinaram o documento proposto apenas os vereadores do PSD (7), PV (4), PSOL (1) e PC do B (1) - este último deverá fazê-lo neste início de semana.

O PT conseguiu as assinaturas do PSB, que montou um bloco com o PSD de Kassab na Câmara e também com o PV. Os socialistas apoiaram Haddad na campanha e integrarão o secretariado municipal a partir de janeiro - o vereador reeleito Eliseu Gabriel (PSB) vai ocupar uma pasta que abrigará duas atuais secretarias, Desenvolvimento Econômico e Trabalho e Microempreendedor Individual.

Na última semana vereadores petistas e tucanos procuraram o presidente da Câmara, José Police Neto (PSD), para propor que o PSD integre o movimento encabeçado pelo PT. Police, que quer se manter no comando da Casa, disse apenas que o partido comandado por Kassab tomaria sua decisão em uma semana.

Para manter controle sobre a Câmara, Kassab tem ligado para vereadores para relembrá-los de ações suas que os beneficiaram. Ele ainda tenta conseguir do PT ao menos o compromisso do rodízio entre PT e PSD na Casa, o que os petistas rejeitam. Dessa forma, a relação entre os partidos - que no plano federal caminha para um entendimento na composição da base da presidente Dilma Rousseff - entra em um impasse.

O PSD, que ainda não decidiu se integrará a base de Haddad na Câmara, também não obteve espaço no futuro governo. Se optar pela proposta petista da proporcionalidade, o PSD, com a 3.ª maior bancada, deixará a presidência para ocupar a segunda-secretaria em 1.º de janeiro. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Mais conteúdo sobre:
Cãmara PT PSD

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.