São Paulo limita queimada em dias de baixa umidade

A secretaria estadual de Meio Ambiente de São Paulo restringiu as queimadas para cultivo de cana-de-açúcar a partir desta sexta-feira, 6, para atenuar o impacto de milhares de toneladas de fumaça e fuligem que a cada safra se transformam em um problema de saúde púbica. A medida vale até o dia 15 de outubro, período em que a umidade relativa do ar é mais baixa, explicou a secretaria. A resolução, publicada no diário oficial do Estado, estabelece que o horário autorizado para a queima será depois das 20h e antes das 6h. Mas quando a umidade relativa do ar estiver menor que 20%, medida das 12h às 17h horas, a queimada fica proibida em qualquer horário. O critério será estabelecido por áreas do Estado, onde as plantações de cana ocupam 4,2 milhões de hectares (ou 16% do território paulista). São Paulo produz 60% de açúcar, cana e álcool do Brasil. No resto do ano, a atividade será suspensa por um período de dois dias consecutivos quando a umidade relativa estiver entre 20% e 30%. Em junho, a secretaria do Meio Ambiente também estabeleceu que o limite para a queimada será de 2,210 milhões de hectares (cerca de 22.000 quilômetros quadrados), com uma redução de 4% quanto ao limite de 2006.

Efe

07 Julho 2007 | 21h51

Mais conteúdo sobre:
queimadas cana

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.