Senador Edward Kennedy é hospitalizado após sofrer convulsão

O senador dos Estados Unidos EdwardKennedy, uma das lideranças do Partido Democrata e patriarca deuma importante dinastia política americana, foi hospitalizadono sábado depois de sofrer uma convulsão em sua casa deveraneio em Cape Cod. Kennedy, 76 anos, foi levado às pressas do complexoresidencial da família em Hyannisport, Massachusetts, para ohospital de Cape Cod às 9h00 (horário local), e depoistransferido de helicóptero a Boston. Seu gabinete em Washington informou em comunicado àimprensa: "Ele está passando por uma bateria de testes noHospital Geral de Massachusetts para determinar a causa daconvulsão". "O senador Kennedy está descansando confortavelmente, e épouco provável que tenhamos novas informações nas próximas 48horas." O jornal Boston Globe informou que Kennedy, irmão maisjovem do presidente americano assassinado John F Kennedy,sofreu uma convulsão em sua residência em Cape Cod e umasegunda no helicóptero, durante o vôo a Boston. Familiares do senador do Massachusetts residentes em Bostonjuntaram-se a ele, incluindo seu filho mais velho, EdwardKennedy Jr., 46 anos, que estava no hospital, informou umfotógrafo da Reuters. Kennedy, segundo entre os senadores que ocupam o Senadoamericano há mais tempo, é uma voz liberal destacada nosEstados Unidos e vem fazendo campanha ativa por Barack Obama natentativa deste de ser nomeado o candidato presidencial doPartido Democrata. "Como eu já disse muitas vezes antes, Ted Kennedy é umgigante na história política dos EUA. Ele já fez mais peloatendimento de saúde de outros que praticamente qualquer pessoana história", disse Obama a jornalistas durante visita a umhospital em Eugene, Oregon. "Vamos torcer por ele, e eu insisto em ser otimista quantoà evolução de sua situação." No Kentucky, onde está em campanha, a senadora HillaryClinton, rival de Obama na disputa para ser a candidatapresidencial democrata, fez votos de recuperação pronta para osenador. Edward Kennedy vem sendo crítico declarado do presidenterepublicano George W. Bush, especialmente com relação à guerrado Iraque, dos cortes dos impostos pagos pelos ricos e dosjuízes conservadores indicados para a Suprema Corte, que eleteme que a levem para a direita. Mas ele também colaborou estreitamente com republicanos,entre eles o candidato presidencial republicano John McCain,sobre uma legislação sobre a questão polêmica da imigração. "Ele é um parlamentar legendário", disse McCain emcomunicado. "Nas ocasiões em que trabalhamos juntos, ele semostrou um interlocutor habilidoso, justo e generoso. Consideroum grande privilégio poder chamá-lo de meu amigo."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.