Sobe para 38 total de vítimas da chuva no Nordeste

Um novo levantamento sobre os danos causados pela chuva em Alagoas mostra que o número de mortos chegou a 26 no Estado. Com isso, o total de vítimas no Nordeste em decorrência do mau tempo já chega a 38. As outras 12 mortes foram registradas em Pernambuco. Segundo a Defesa Civil de Alagoas, há 26.141 desabrigados em todo o Estado. O número de pessoas desaparecidas passa de 600, sendo 500 só no município de União dos Palmares. Até o momento, quatro municípios decretaram estado de calamidade pública em Alagoas: Quebrângulo, Santana do Mundaú, Joaquim Gomes e São José da Laje.

PRISCILA TRINDADE E RICARDO RODRIGUES, Agência Estado

21 de junho de 2010 | 21h16

Na Grande Maceió, a cidade de Rio Largo, cortada pelo rio Mundaú, foi uma das mais atingidas. De acordo com a prefeitura, cerca de 3 mil casas, localizadas nas proximidades do rio, foram completamente destruídas pela enchente. Há cerca de 30 pessoas desaparecidas e mais de 15 mil desabrigados, alojados em escolas públicas, ginásios de esportes e casas de parentes.

Em Pernambuco, 38.360 pessoas tiveram de deixar suas casas no Estado em razão das chuvas dos últimos dias. Mais de 6.400 casas foram atingidas em 49 cidades. Das 12 mortes - oito foram registradas no Recife.

Liberação de recursos

O governador Teotônio Vilela Filho (PSDB), em comunicado oficial, informou que decretou estado de calamidade pública em Alagoas e já entrou em contato com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva para pedir ajuda às vítimas das cheias e para reconstruir as cidades destruídas pelas enchentes. Ele disse ainda que sobrevoou de helicóptero as áreas atingidas e ficou impressionado com a destruição que as chuvas causaram.

O governo de Alagoas também alertou os prefeitos dos municípios atingidos pelas enchentes que enviem, com a máxima urgência, a Notificação Preliminar de Desastre (Noprede) à Secretaria Nacional de Defesa Civil do Ministério da Integração Nacional. Só com este documento o governo federal pode liberar recursos às cidades atingidas, para que sejam usados na assistência à população desabrigada e desalojada.

O governador de Alagoas disse ainda que está recebendo o apoio do Exército e da Marinha, que cederam caminhões e botes para o transporte e o resgate dos desabrigados. Além disso, Vilela disse que conta com o apoio de três helicópteros para o resgate de pessoas em áreas ilhadas e de difícil acesso.

Vilela pediu ajuda à população para o envio de donativos aos moradores das regiões atingidas pela tragédia. Ele disse ainda que, da parte do governo, várias ações já estão sendo desenvolvidas para atender os desabrigados. A prioridade é a distribuição de água potável, alimentação e remédios. Em Maceió, há vários pontos de coleta para receber donativos da população, principalmente roupas, alimentos não perecíveis e água.

Tudo o que sabemos sobre:
chuvasAlagoasPernambucomortes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.