Marcos de Paula/Estadão
Marcos de Paula/Estadão

Spray aos baldes

Historiador diz que a polícia da ditadura militar era menos violenta que a atual PM carioca - transformada, segundo ele, em guarda do poder

Felipe Werneck, O Estado de S. Paulo

05 Outubro 2013 | 15h37

RIO - Desde junho, o professor titular de História Contemporânea da UFRJ Francisco Carlos Teixeira da Silva acompanha de perto as manifestações no Rio. Ele prepara com o documentarista Eryk Rocha, filho de Glauber, um filme sobre o que acontece nas ruas. Na terça, porém, sua proximidade com o tema chegou a deixá-lo sem respiração. Silva recebeu um jato de pimenta de um spray gigante, recente aquisição da Polícia Militar, e precisou tirar a camisa e cobrir o rosto para se proteger das bombas de gás lançadas pelos policiais na Cinelândia.

O professor diz que o Rio virou o epicentro dos protestos no País por ser uma cidade essencialmente de classe média e porque houve total falta de sensibilidade das autoridades e perda de governabilidade no Estado. Também afirma não temer comparações entre o que ocorre hoje e os protestos estudantis do período militar: "A polícia da ditadura era menos violenta do que a polícia do governador Sérgio Cabral".

Especializado em história social, com pós-doutorado na Alemanha, Silva criou o Laboratório de Estudos do Tempo Presente da UFRJ e foi subsecretário de Educação no governo Brizola, na década de 1980. Conhece bem a causa dos professores, em greve há 51 dias. Para ele, o plano de cargos e salários da categoria do prefeito Eduardo Paes é "absurdo", assim como sua aprovação por uma Câmara de Vereadores sitiada. "Me deixa perplexo que o Legislativo não tenha tido pudor em continuar legislando com a rua tremendo de bombas."

O refluxo da maré

"Está claro que o Rio virou o epicentro das manifestações. Embora tenham começado em Porto Alegre e explodido em São Paulo, as maiores ocorreram no Rio. Teve um refluxo, mas nunca parou. E abriu-se um período de greves setoriais. A bancária é muito forte. O Rio centralizou isso porque, em primeiro lugar, é uma cidade de classe média, de funcionários, ao contrário de São Paulo, com base operária. Em segundo, porque houve total falta de sensibilidade e perda de governabilidade. A qualquer momento outra categoria pode explodir. Além disso, o Rio se tornou uma das cidades mais caras do mundo, com especulação imobiliária enorme, favorecida pelo governo. É possível que o governador, quando deixou black blocs e moradores de rua quebrarem muito em julho, tenha tentado afastar a classe média do movimento. Agora a coisa voltou. Outro elemento virou clamor público. Quando o Choque entrou na terça, a população gritava: "Cadê o Amarildo?". O nível de desmoralização é muito grande.

Secundarista, professor, universitário

"Falaram que havia mascarados. Vou te dizer: eu pus a camiseta na cara. Recebi um jato de pimenta que parecia de extintor, um troço industrial. A sensação é de paralisia respiratória. A maioria dos que tinham algo no rosto estava sem camisa. Era proteção contra o uso indiscriminado de bombas. Havia black blocs, mas não estavam quebrando. Depois duas agências bancárias foram destruídas, mas a PM já batia muito. Era uma reação. A maioria absoluta era de secundaristas, professores e universitários. Não tenho relação pessoal com o Black Bloc nem quero ter. Mas houve uma inflexão dos black blocs, uma mudança na atuação.

Casa sem pudor

"Tanta repressão, só vi uma vez na Bolívia e outra em Beirute, mas nunca no Brasil. Foi brutal. Me deixa perplexo que o Legislativo não tenha tido pudor em continuar legislando com a rua tremendo de bombas. A função da PM foi de uma guarda pessoal do poder convocada para cumprir não a lei do Estado, mas a vontade do dirigente. Fuzileiros navais fizeram o controle de multidão no Haiti, em situação bem mais difícil, sem esse tipo de ação. Quando o Choque entrou na Rio Branco e foi vaiado intensamente, deram tiro de escopeta para o alto. São funcionários públicos agindo como pretorianos do governador e do prefeito.

O PT e a guarda pretoriana

"É interessante ver o PT se transformar em partido que apoia o uso de guarda pretoriana para votar uma lei. O que o Rio está mostrando é que o PT perdeu as ruas. Se a oferta de um ministério ao Cabral se configurar, fica claro o total desdém da Dilma. Seria suicídio político.

Velho é o poder

"Lamentei que dois amigos, oriundos do PC, tenham dito que black blocs fazem o jogo da direita. É o que se falava na ditadura. Se nos anos 1970 eu brigava contra a PM e agora continuo brigando, sou jovem. Quem é velho é o poder. Estive em manifestações na Cinelândia em 1973 e 74. A polícia era menos violenta. Estou falando sério. A polícia da ditadura tinha mais critério e era menos violenta do que a polícia do Cabral."

Mais conteúdo sobre:
policia militar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.