Taleban declara ofensiva da primavera no Afeganistão

O Taleban declarou no sábado o início de uma ofensiva de primavera no Afeganistão, avisando que terá como alvos as tropas estrangeiras, as forças de segurança afegãs e altos funcionários do governo em uma onda de ataques, incluindo atentados suicidas.

JONATHON BURCH E ROB TAYLOR, REUTERS

30 Abril 2011 | 16h55

Em um comunicado, o grupo islâmico radical advertiu civis afegãos para ficarem longe de aglomerações públicas, bases militares e comboios, bem como edifícios e centros do governo, já que esses serão os alvos dos ataques a partir de 1 de maio.

O comunicado do Taliban vem apenas um dia após militares e diplomatas ocidentais alertarem sobre uma possível onda de ataques durante a próxima semana, começando no domingo.

"O Conselho de Liderança do Emirado Islâmico do Afeganistão quer declarar o lançamento das operações militares da primavera denominada "Badar" contra os invasores americanos, seus aliados estrangeiros e seus apoiadores internos", disse um comunicado do Taliban enviado por email.

"Operações vão se concentrar em ataques contra centros militares, locais de encontros, bases aéreas, comboios militares de munição e logística dos invasores estrangeiros, em todas as partes do país", disse o Taleban.

O brigadeiro-general Josef Blotz, porta-voz da Força de Assistência de Segurança Internacional da OTAN (ISAF, na sigla em inglês), disse que as bases da coalizão vão reforçar a segurança em antecipação aos ataques.

"Nós sabíamos há algum tempo dos planos dos militantes para uma onda de violência em certas zonas do país nos próximos dias", disse Blotz à Reuters.

A ONU disse que estava transferindo alguns de seus funcionários no Afeganistão depois de ter recebido "ameaças críveis" de ataques em um "número de locais em todo o país."

No início deste mês, sete funcionários internacionais da ONU foram mortos depois que os manifestantes invadiram um complexo da organização no norte de Mazar-i-Sharif.

O Taleban negou envolvimento nesse ataque, mas autoridades disseram que os insurgentes haviam se envolvido para agitar uma multidão já irritada.

"Como medida de precaução, as Nações Unidas estão transferindo o seu pessoal de alguns dos seus centros operacionais regionais para locais seguros durante um curto período. Funcionários não estão deixando suas regiões e continuarão a trabalhar a partir destes locais", disse Kieran Dwyer, porta-voz da Missão da ONU no Afeganistão.

A violência no Afeganistão atingiu níveis recordes em 2010, com mortes de civis e militares, os piores desde as forças afegãs apoiadas pelos Estados Unidos derrubaram o governo Taliban em 2001.

O Pentágono disse em um relatório na sexta-feira que um aumento geral da violência se deve em parte ao aumento da ofensiva a redutos de insurgentes.

Em seu comunicado, o Taliban não informou quanto tempo iria durar a campanha intensificada "Badar", nome de uma decisiva vitória muçulmana em batalha do século 7, no oeste da Arábia, que os muçulmanos atribuem à intervenção divina.

No comunicado, o Taleban reitera que os combates no Afeganistão não vão terminar até que as tropas estrangeiras deixem o país e também chama funcionários do governo afegão e das forças de segurança para mudarem de lado.

A campanha do Taleban não mudaria a estratégia da coligação colocada em prática no ano passado pelo general David Petraeus, comandante das tropas dos EUA e da ISAF, com 150.000 militares.

No programa acordado em uma cúpula da OTAN no ano passado, a ISAF disse que começará a distribuir a responsabilidade da segurança às forças afegãs em diversas áreas a partir de julho. O programa terminará com a retirada de todas as tropas estrangeiras até o final de 2014.

Mais conteúdo sobre:
TALEBANOFENSIVA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.