Teleférico do Alemão é fechado após ataques contra UPP

Policiamento foi reforçado no local depois do fim de semana violento

Agência Estado

21 de julho de 2014 | 09h13

Depois de um fim de semana violento, o teleférico do complexo de favelas do Alemão, na zona norte do Rio, está fechado na manhã desta segunda-feira, 21. Segundo a concessionária Supervia, que administra o equipamento, técnicos continuam inspecionando o teleférico devido aos episódios de violência desde a semana passada. O procedimento, de acordo com a Supervia, é adotado para garantir a segurança dos passageiros; ainda não há previsão para o retorno da operação.

Na manhã desta segunda, o policiamento está reforçado no Alemão, ocupado por Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs). Ontem à noite, traficantes dispararam contra um contêiner da UPP do morro do Alemão, na rua Canitar.

Um soldado que estava dentro do alojamento foi baleado no abdômen e encaminhado ao Hospital Estadual Getúlio Vargas, na Penha. Os traficantes também atearam fogo numa viatura da PM estacionada ao lado da base da UPP.

Os ataques seriam uma retaliação à morte de Matheus Alexandre Silva dos Santos, de 18 anos, morto ontem à tarde em troca de tiros com PMs, por volta das 14h. Segundo a PM, militares faziam patrulhamento pela Praça do Índio quando foram surpreendidos por um grupo de traficantes armados.

Santos, de acordo com a PM, estaria com uma pistola 9mm e um carregador.

Os ataques também podem ter sido uma represália pela prisão de Diogo Wellington Costa, o "Diogo Bebezão", 28 anos, na madrugada de sábado. O suspeito de tráfico de drogas estava numa festa na comunidade e foi abordado quando saía, na rua Canitar, por policiais da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente. Ele tentou fugir, houve troca de tiros e Costa foi ferido no abdômen. Ele está sob a custódia de um policial no Hospital Municipal Salgado Filho, onde passou por uma cirurgia.

Tudo o que sabemos sobre:
violênciaRioteleférico

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.