Transporte ilegal pode estar por trás de queima de ônibus

A polícia do Rio apontou líderes de uma cooperativa de transportes ilegal de São Gonçalo, na Grande Rio de Janeiro, como suspeitos de terem planejado o incêndio de três ônibus na cidade na noite de ontem. O ato de vandalismo teria sido encomendado para funcionar como uma manifestação contra a ação policial na região para coibir o transporte alternativo. Por volta das 22h30, cerca de 20 pessoas cercaram e incendiaram dois veículos que fazem a linha Praia da Luz-Barreto, da Viação Expresso Tinguá, na localidade conhecida como Praia da Luz, no bairro Itaoca. No mesmo horário, um outro ônibus da Viação Rio Ita foi queimado a 200 metros de um posto policial próximo ao Morro do Salgueiro, a dois quilômetros de Itaoca. Policiais da delegacia de São Gonçalo (72º DP) e da Coordenadoria de Recursos Estaduais (Core) fizeram hoje uma operação no Salgueiro na tentativa de prender os responsáveis pelo atentado, já que havia a suspeita de que o crime teria sido praticado por quadrilhas de motociclistas e motoristas de vans que têm ligações com os traficantes do Salgueiro.

ALEXANDRE RODRIGUES, Agencia Estado

29 de janeiro de 2008 | 19h42

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.