Wellington justifica crime por ser vítima de bullying

O assassino Wellington Menezes de Oliveira diz em vídeo que o bullying sofrido por ele foi a principal motivação para o massacre em Realengo, na zona oeste do Rio de Janeiro. A Secretaria de Segurança Pública do Rio divulgou novo material, que inclui vídeos, fotos e textos, encontrados no computador do assassino.

TIAGO ROGERO, Agência Estado

15 de abril de 2011 | 14h42

O acervo mostra a preparação de Wellington, não só para as mortes, mas para a repercussão que o caso teria. Lendo textos ou falando diretamente para a câmera, Wellington contraditoriamente justifica o assassinato das 12 crianças como uma resposta aos "covardes". "Eu era agredido, humilhado, ridicularizado (...), mas o que mais me irrita hoje é saber que esse cenário vem se repetindo sem que nada seja feito contra essas pessoas covardes e cruéis", diz.

Referindo-se às vítimas de bullying como "irmãos", o assassino culpa as "autoridades escolares" por cruzarem os braços diante do problema, e diz que, não fosse por isso, estaria vivo, assim como todos que matou. Em um dos vídeos, o assassino "parabeniza" o garoto australiano Casey Heynes, famoso depois da divulgação na internet de um vídeo em que se defende de bullying.

Wellington cita também o sul-coreano Cho Seung-Hui, que invadiu o Instituto Politécnico e Universidade Estadual da Virgínia (EUA), em 2007, matando 32 pessoas; e Edmar Aparecido Freitas, que entrou atirando, em 2003, no colégio onde estudou em Taiuva (SP), ferindo 8 pessoas, e depois se matou.

Em outra gravação, já sem barba, Wellington se despede. "Hoje é quarta-feira, dia 06 de outubro de 2011 (sic), já são quase 7 horas da noite, daqui a pouco estou saindo de Sepetiba e me dirigindo para Realengo onde ficarei hospedado no hotel Shelton pra me preparar (...) Este é meu último discurso", diz. Há também sete fotos do assassino. Nelas, Wellington aparece segurando duas armas, apontando uma delas para a câmera e, em outra foto, para a própria cabeça.

Mais conteúdo sobre:
tragédiaRealengobullying

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.