PUBLICIDADE

Foto do(a) blog

Notícias e artigos do mundo do Direito: a rotina da Polícia, Ministério Público e Tribunais

Controladoria vê 'vantagem indevida' a Milton Ribeiro com fotos e elogios em bíblias

Relatório da Controladoria-Geral da União que faz parte do inquérito da Operação Acesso Fácil, da Polícia Federal, reproduz depoimentos de prefeitos que detalham a atuação de pastores do 'gabinete paralelo' instalado no MEC para captar recursos destinados à Igreja Evangélica Assembléia de Deus de Goiânia

Foto do author Pepita Ortega
Foto do author Julia Affonso
Foto do author Rayssa Motta
Foto do author Fausto Macedo
Por Pepita Ortega, Julia Affonso, Rayssa Motta e Fausto Macedo
Atualização:
Com Bolsonaro, MEC apresentou ações para 2021 a prefeitos. O então ministro Milton Ribeiro aparece ao lado dos pastores Arilton Moura e Gilmar Santos. Foto: Catarina Chaves/MEC

Em apuração preliminar, a Controladoria-Geral da União viu 'concessão de vantagem indevida' ao ex-ministro da Educação Milton Ribeiro, caracterizada na promoção pessoal do aliado do presidente Jair Bolsonaro com a inclusão de sua imagem e elogios em bíblias distribuídas pela Igreja Evangélica Assembleia de Deus de Goiânia - Ministério Cristo para todos, controlada pelo pastor Gilmar dos Santos.

PUBLICIDADE

O órgão enquadrou a conduta do religioso na Lei Anticorrupção e defendeu a instauração de um processo administrativo de responsabilização em face da Igreja, parecer que foi chancelado pelo Corregedor-Geral da União. Com relação ao ex-ministro Milton Ribeiro, não são descritas medidas tomadas pelo órgão, apenas a indicação de remessa do caso à Polícia Federal para adoção de 'providências que considerar adequadas'.

As informações constam do relatório da CGU que faz parte do inquérito da Operação Acesso Pago - ofensiva que prendeu o ex-ministro Milton Ribeiro, os pastores Gilmar Santos e Arilton Moura, o advogado Luciano Musse e o o ex-assessor da Prefeitura de Goiânia Helder Diego da Silva Bartolomeu. Os investigados, no entanto, não chegaram a passar 24 horas sob custódia - foram beneficiados por uma decisão dada pelo desembargador Ney Bello, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, a pedido da defesa de Ribeiro.

 Foto: Estadão

No documento em questão, a CGU diz que, segundo depoimentos de prefeitos colhidos no âmbito das apurações do órgão, os pastores do 'gabinete paralelo' instalado no MEC 'se utilizaram de proximidade' com o então chefe da pasta para pedirem recursos destinados à Igreja Evangélica Assembleia de Deus de Goiânia.

Logo antes da menção ao procedimento administrativo contra a Igreja de Gilmar dos Santos, a CGU cita o caso do prefeito de Salinópolis (PA), Carlos Alberto de Sena Filho, que relatou às autoridades que foi procurado para comprar as bíblias e 'ajudar a igreja'.

Publicidade

Nesse caso, a bíblia distribuída tinha em sua capa o nome de Gilmar Santos, sendo que o livro contava com foto do ex-ministro da Educação. Na página que trazia a imagem havia a descrição da 'relação' entre Ribeiro e o pastor: "Juntos têm realizado muitos seminários em diferentes regiões, levando adiante vários projetos de melhoria da Educação Básica".

Além disso, a Bíblia registrava: "agradecendo também ao prefeito Carlos Alberto de Sena da cidade de Salinópolis-PA pelo patrocínio na confecção dessas bíblias".

A bíblia distribuída em Salinópolis com a foto do ex-ministro Milton Ribeiro e da mulher dele. Foto: Reprodução

Como mostrou o Estadão, o prefeito de Centro Novo do Maranhão, Júnior Garimpeiro (Progressistas), também patrocinou bíblias com foto de Milton Ribeiro quando ele era ministro da Educação do governo Jair Bolsonaro. O exemplar é semelhante ao distribuído em um evento do MEC, em julho do ano passado, na cidade paraense.

"Nossos agradecimentos ao ministro da Educação, Milton Ribeiro, ao pastor Arilton Moura e ao prefeito Junior Garimpeiro, da cidade de Centro Novo do Maranhão-MA, pelo patrocínio na confecção dessas bíblias", indica o livro.

As bíblias de Centro Novo estampam em suas primeiras páginas as imagens de Milton Ribeiro, de Gilmar Santos, de seu genro, o pastor Wesley Costa, e do prefeito com sua família. A relação entre Milton Ribeiro e Junior Garimpeiro se estreitou no ano passado por intermédio dos dois pastores.

Publicidade

PUBLICIDADE

A proximidade levou para Centro Novo do Maranhão - cidade a 260 km de São Luís - um evento do ministério com prefeitos maranhenses, em maio de 2021. "O Junior Garimpeiro é uma pessoa especial, é alguém que eu acredito que tenha até um futuro aí na política", disse Ribeiro na ocasião.

A comissão investigativa da CHU tentou colher o depoimento de Júnior Garimpeiro, sem sucesso. O órgão citou o fato de reportagens sobre o 'gabinete paralelo' no MEC terem citado o município de Centro Novo e ainda destacou que o prefeito da cidade foi elogiado por Milton Ribeiro em seu depoimento. A indicação sobre Júnior Garimpeiro consta em item do relatório da CGU que elenca linhas investigativas não exauridas pelo órgão.

Bíblia distribuída em Centro Novo. Foto: Reprodução

O documento da Controladoria ainda cita o relato de outros prefeitos, como o de Bonfinópolis (GO), Kelton Pinheiro. Ele disse que Arilton lhe fez a seguinte solicitação: "você só vai ajudar aqui a igreja do pastor Gilmar que está construindo um tempo, você, viu, compra umas bíblias dele para ajudar na construção". Na ocasião, anda segundo o prefeito, lhe foi indicado que cada bíblia custaria R$ 50, podendo ele comprar mil unidades para distribuir.

O prefeito de Boa Esperança do Sul (SP), José Manoel de Sousa, também é citado pela CGU. Ele relatou que, em um restaurante, após evento no MEC, Arilton teria lhe 'informado que conseguiria inserir a demanda do município no sistema e viabilizar a escola de curso profissionalizante', mas, em contrapartida, a prefeitura 'deveria fazer uma oferta à igreja'.

A Controladoria menciona ainda a cidade de Nova Odessa. O empresário José Edvaldo Brito disse que Arilton lhe solicitou doação de R$ 100 mil às obras missionárias, sendo que para atender o pedido, entrou em contato com Danilo Felipe Franco, que se comprometeu em doar R$ 67 mil.

Publicidade

O caso de Nova Odessa entrou na mira da Polícia Federal por suspeita de corrupção. Segundo Brito, os R$ 67 mil citados foram transferidos para três contas ligadas a Arilton. Um dos depósitos, de R$ 30 mil, é tratado pelos investigadores como pagamento de propina e foi enviado para a conta do genro do religioso, Helder Bartolomeu. Outros R$ 20 mil foram depositados na conta do advogado Luciano Musse, "infiltrado" pelos pastores no Ministério da Educação.

COM A PALAVRA, A IGREJA

A reportagem busca contato com a Igreja Evangélica Assembleia de Deus de Goiânia - Ministério Cristo para todos. O espaço está aberto para manifestações.

Correções

A matéria foi atualizada para fazer constar que José Edvaldo Brito é empresário e não prefeito de Nova Odessa, como inicialmente informado

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.