PUBLICIDADE

Foto do(a) blog

Notícias e artigos do mundo do Direito: a rotina da Polícia, Ministério Público e Tribunais

Defesa de Lula pede suspensão da inelegibilidade

Em habeas corpus ao Superior Tribunal de Justiça, advogados do ex-presidente pedem também que pena de prisão de 12 anos e 1 mês em regime fechado não seja executada até que petista esgote todos os recursos em Cortes Superiores

Foto do author Luiz Vassallo
Foto do author Julia Affonso
Foto do author Amanda Pupo
Por Luiz Vassallo, Julia Affonso, Rafael Moraes Moura, Amanda Pupo e Ricardo Galhardo
Atualização:

Lula. Foto: HÉLVIO ROMERO/ESTADÃOlula

Os advogados do ex-presidente Lula requereram ao Superior Tribunal de Justiça, no âmbito de habeas corpus, que a Corte afaste a 'situação de inelegibilidade' do petista. A defesa apelou à Corte contra a execução de sua pena de 12 anos e um mês na Operação Lava Jato após esgotados os recursos ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região.

PUBLICIDADE

O ex-presidente foi sentenciado a 9 anos e 6 meses pelo juiz federal Sérgio Moro, que entendeu serem o triplex 164-A, no condomínio Solaris, e suas respectivas reformas, propinas de R$ 2,2 milhões da construtora OAS. A pena não apenas foi confirmada pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região, como também aumentada pelos desembargadores para 12 anos e 1 mês.

Ao condenar Lula, desembargadores pediram para que a pena seja executada após esgotados os recursos no âmbito da Corte de apelações da Lava Jato. Em razão da unanimidade da condenação no TRF-4, cabe à defesa de Lula, naquela instância, embargos declaratórios, recurso por meio do qual se questiona obscuridades nos votos dos desembargadores.

Em habeas corpus que está sob relatoria do ministro Félix Fischer, a defesa do ex-presidente questiona súmula do TRF-4 e entendimento do Supremo a respeito de execução de pena após sentença de segunda instância e pede que petista tenha o direito de esgotar recursos nas Cortes Superiores antes que seja decretada sua prisão.

Os defensores também pedem 'a concessão da ordem a fim de se obstar a execução provisória da pena até que sobrevenha eventual decisão penal transitada em julgado, homenageando a cláusula pétrea prevista no art. 5º, inciso LVII da Constituição da República - registrando-se, ainda, desde logo, a necessidade de se afastar situação de inelegibilidade na forma do artigo 26-C, da Lei Complementar nº 64/1990, como será demonstrado nos recursos indicados nesse mesmo dispositivo legal'.

Publicidade

"Ademais, não há como negar que a eventual restrição da liberdade do Paciente terá desdobramentos extraprocessuais, provocando intensa comoção popular - contrária e favorável - e influenciando o processo democrático, diante de sua anunciada pré-candidatura à Presidência da República", afirmam os defensores.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.