Foto do(a) blog

Notícias e artigos do mundo do Direito: a rotina da Polícia, Ministério Público e Tribunais

Opinião|Descriminalização do porte de maconha avança no STF: quem disse que as Rosas não falam?

PUBLICIDADE

convidado
Atualização:
Claudia de Lucca Mano Foto: Divulgação

O Supremo Tribunal Federal (STF) retomou na última quinta-feira (24) o julgamento sobre descriminalização do porte de drogas para consumo pessoal. Durante a sessão, o ministro André Mendonça pediu vistas, considerando que o novo ministro Cristiano Zanin votou pela criminalização do porte. Rosa Weber, que se aposentará em setembro da Corte Superior, decidiu antecipar seu voto a favor da descriminalização. Assim, o placar está em cinco votos a um a favor descriminalização somente do porte de maconha para uso pessoal.

PUBLICIDADE

A única divergência de Cristiano Zanin, não parece afetar o resultado esperado pela sociedade. Isso porque mesmo acreditando que deve ser considerado crime o porte de drogas, o recém-empossado endossa o voto de Alexandre de Moraes na parte que define critérios objetivos para diferenciar usuário de traficante, ou seja, 60 g ou 6 plantas fêmeas.

Chamou a atenção a consciência dos ministros para a complexidade do problema, que deve ser equalizado por todos os poderes da República. Vale citar que o ministro Gilmar Mendes defendeu “O aprimoramento do marco regulatório do setor” e destacou a estigmatização e marginalização de usuários, bem como as injustiças sociais que condenam negros, pardos, jovens e pobres ao encarceramento.

No mesmo sentido a ministra Rosa Weber, destacou que “precisamos dar um passo à frente”, e que o consumo de drogas estritamente pessoal coloca em risco a saúde individual do usuário, sendo importante privilegiar a “autonomia para de acordo com a consciência individual de cada um realizar as escolhas fundamentais para o desenvolvimento da sua vida”. A Ministra pontuou que a intenção do legislador ficou clara em 2006 no sentido da despenalização, visto que a mera conduta de trazer consigo entorpecentes para consumo próprio não tem como bem jurídico tutelado a saúde pública, mas sim a saúde individual de cada pessoa. A atual presidente da Corte asseverou que não é sustentável a premissa de que todo usuário cometerá delitos para satisfação do seu uso. Tocou ainda na sua percepção em visitas recentes a unidades prisionais: encarceramento em massa de meninos e meninas, geralmente negros e pardos, em função de tráfico.

Gilmar, ao revistar seu voto de 2015, lembrou que já se debruçou sobre inúmeros casos em que não há qualquer indicativo de envolvimento com organizações criminosas.

Publicidade

Após o voto contrário de Zanin à tese da descriminalização, os demais ministros argumentaram que, ao considerar crime o porte de drogas, os usuários serão submetidos aos efeitos secundários da lei penal, a exemplo da reincidência em caso conduta reiterada, e privação de direitos fundamentais de cidadãos como privacidade, dignidade da pessoa humana e liberdade, bem como bem o próprio acesso a tratamento de saúde.

Ainda reagindo a Zanin, Weber citou que cigarro e bebidas alcoólicas são permitidos no país. Para proteger as pessoas já existem políticas públicas como campanhas pedagógicas e institucionais materiais que alertem sobre riscos e complicações decorrentes de seu consumo.

A Lei 9294/1996 trata de propaganda de álcool, cigarro e medicamentos e é claro exemplo disso. A lei do governo FHC regulamenta o art. 220 par. 4 da Constituição Federal, ao modular a liberdade de expressão para limitar propaganda de produtos que possam representar risco à saúde das pessoas.

Importante destacar que o STF julga a constitucionalidade do Artigo 28 da Lei das Drogas (Lei 11.343/2006). Para diferenciar usuários e traficantes, a norma já prevê penas alternativas de prestação de serviços à comunidade, advertência sobre os efeitos das drogas e comparecimento obrigatório a curso educativo para quem adquirir, transportar ou portar drogas para consumo pessoal. A lei de 2006 deixou de prever a pena de prisão, mas manteve a criminalização. Dessa forma, usuários de drogas ainda são alvos de inquérito policial e processos judiciais que resultam em encarceramento em massa. No caso concreto que motivou o julgamento, a defesa de um condenado pede que o porte de maconha para uso próprio deixe de ser considerado crime. O acusado foi detido com três gramas de maconha.

Não há invasão de competências do poder legislativo pelo STF. Isso porque o congresso já se manifestou sobre o tema em 2006, quando discutiu a lei de drogas 11343 e decidiu que usuários não devem ser presos (art. 28). O Poder Judiciário se debruça sobre um tema quando for provocado por uma ação judicial. É o caso do julgamento, com repercussão geral reconhecida, e tendo por norte a agenda de pautas da ONU até 2030: saúde e bem-estar; paz justiça e instituições eficazes.

Publicidade

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

A Corte tem se orientado pela busca de consenso, ao encerrar julgamentos com o chamado voto médio, que consolida o posicionamento de todos seus integrantes. A julgar pela sessão desta quinta, o julgamento ficará restrito à maconha, e definirá quantidades objetivas de cannabis para aferir a intenção da pessoa: consumo próprio ou venda. Ao pautar temas polêmicos e históricos antes de sua aposentadoria, Weber ensina que assim como uma rosa, o julgamento judicial pode representar a busca pela justiça, a proteção de direitos e o alcance de soluções equitativas. Porém, assim como os espinhos que acompanham a rosa, o processo judicial também pode ser longo, complexo e trazer desafios significativos.

*Claudia de Lucca Mano é advogada e consultora empresarial, atuando desde 1999 na área de vigilância sanitária e assuntos regulatórios. Fundadora da banca DLM e responsável pelo jurídico da associação Farmacann

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.