Foto do(a) blog

Notícias e artigos do mundo do Direito: a rotina da Polícia, Ministério Público e Tribunais

Gilmar vê ‘vício insanável’ em acusação sobre ‘QG da Propina’ e tranca parte de ação contra Crivella

Ministro do STF acolhe pedido da defesa do ex-prefeito do Rio, hoje deputado federal, e barra prosseguimento de processo por caixa 2

PUBLICIDADE

Foto do author Pepita Ortega
Por Pepita Ortega
Atualização:
MARCELO CRIVELLA. Foto: FABIO MOTTA/ESTADÃO

O ministro Gilmar Mendes, decano do Supremo Tribunal Federal, acolheu um pedido da defesa do deputado federal Marcelo Crivella (Republicanos-RJ), e trancou parte da ação penal contra o ex-prefeito do Rio no caso que ficou conhecido como o ‘QG da Propina’ - investigação sobre supostos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa durante a administração Crivella.

PUBLICIDADE

A parte do processo que trata de suposto caixa 2 fica obstada, enquanto o trecho da ação sobre crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa segue tramitando normalmente.

A avaliação do ministro do STF é a de que há ‘vício insanável’ na denúncia do Ministério Público Eleitoral contra Crivella e outros sete acusados, em dezembro, por falsidade ideológica eleitoral.

Isso porque o MP promoveu arquivamento da investigação sobre suposto crime eleitoral de Crivella antes de oferecer a nova acusação contra o ex-prefeito. O arquivamento se deu quando a apuração migrou da Justiça comum para a Justiça Eleitoral.

Gilmar considerou que não houve surgimento de novas provas que pudessem justificar o desarquivamento da investigação e o consequente oferecimento da denúncia.

Publicidade

”O reenquadramento dos fatos ou a mudança de opinião do órgão acusador não autorizam o desarquivamento do inquérito. É necessário, como dito, que surjam provas novas para a reabertura das investigações”, anotou o decano.

Gilmar ressaltou que a Justiça Eleitoral deve seguir analisando a denúncia contra Crivella e outros 25 investigados por crimes comuns identificados na Operação QG da Propina, aberta em novembro de 2018.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.