Foto do(a) blog

Notícias e artigos do mundo do Direito: a rotina da Polícia, Ministério Público e Tribunais

Gladson Cameli diz que PF espreita seu filho de 6 anos e quer barrar Operação Ptolomeu

Governador do Acre alega à ministra Nancy Andrighi, do STJ, que Polícia Federal solicitou Relatório de Inteligência Financeira de holding da família em que menino aparece como sócio

Foto do author Pepita Ortega
Por Pepita Ortega
Atualização:

A defesa do governador do Acre Gladson Camelli (PP) requereu ao Superior Tribunal de Justiça a suspensão das investigações da Operação Ptolomeu - que apura sobre supostos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro envolvendo a cúpula do Governo do Acre. Os advogados de Gladson argumentam a nulidade de um passo dado pela Polícia Federal logo no início das investigações - a requisição de Relatórios de Inteligência Financeira sobre o filho do governador, de apenas seis anos.

A informação sobre os movimentos da Ptolomeu na direção do menor foi revelada pela coluna Radar, de Robson Bonin, da revista Veja, e confirmada pela reportagem do Estadão.

Gladson Cameli (PP-AC). Foto: Moreira Mariz/Agência Senado

PUBLICIDADE

O pedido de anulação do inquérito foi apresentado à ministra Nancy Andrighi no último dia 20, onze dias depois da deflagração da terceira fase da Ptolomeu. No bojo desta fase ostensiva das investigações, o governador do Acre não foi alvo de buscas, mas teve de entregar seu passaporte à Justiça e seu patrimônio foi bloqueado. A Ptolomeu aponta também para familiares de Gladson Cameli.

No documento protocolado no STJ, a defesa do governador, capitaneada pelo advogado Pedro Ivo Velloso, questiona o fato de a requisição dos Relatórios de Inteligência Financeira - produzidos pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) -, atingir o filho de Cameli. A partir desses relatórios, a PF faz análises que podem apontar eventual evolução patrimonial suspeita de investigados.

A PF também pediu acesso a relatórios do Coaf referentes à mulher de Gladson, Ana Paula Cameli, e de uma holding da qual o filho de seis anos do casal figura como sócio. A defesa ressalta que os documentos foram solicitados pelos investigadores na fase inicial da Ptolomeu, ainda sem citação ao governador. Só posteriormente o caso foi remetido ao STJ, onde Gladson Cameli detém foro por prerrogativa de função.

Publicidade

COM A PALAVRA, A DEFESA

A reportagem busca contato com a defesa do governador. O espaço está aberto para manifestações.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.