Foto do(a) blog

Notícias e artigos do mundo do Direito: a rotina da Polícia, Ministério Público e Tribunais

Marcelo Odebrecht termina sua pena na Lava Jato após dois anos de trabalho administrativo no Hospital das Clínicas de São Paulo

Executivo que presidiu gigante da construção civil foi preso em 2015 por ordem do então juiz Sérgio Moro e concluiu, no início deste ano, serviços comunitários previstos em acordo de delação premiada que fez com a Procuradoria

PUBLICIDADE

Foto do author Rayssa Motta
Por Rayssa Motta
Atualização:
Marcelo Odebrecht fechou acordo de colaboração em 2016. Foto: Nilton Fukuda/Estadão

O executivo Marcelo Odebrecht passou dois anos trabalhando no Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo (USP) para cumprir a pena por corrupção, associação criminosa e lavagem de dinheiro imposta na Operação Lava Jato.

PUBLICIDADE

Marcelo foi delator do conluio de empreiteiras que pagou propinas a centenas de políticos em troca de contratos com a Petrobrás. Ele era presidente da construtora que leva o sobrenome da família quando a Lava Jato estourou em 2014 e prendeu os principais executivos do grupo.

Depois de uma temporada na prisão, o empresário passou a prestar serviços comunitários como parte do acordo de colaboração assinado com o Ministerio Público Federal (MPF). No Hospital das Clínicas, trabalhou no setor administrativo, entre 2021 e 2023, e terminou de cumprir a pena.

O hospital da USP tem um convênio com a Central de Penas e Medidas Alternativas da Justiça Federal de São Paulo (Cepema). A parceria foi fechada em 2018 e, desde então, a instituição recebeu 50 pessoas autorizadas a prestar serviços comunitários ou a entidades públicas. O herdeiro do grupo Odebrecht é um deles.

O acordo de colaboração de Marcelo Odebrecht foi revisto em 2021 pelo Supremo Tribunal Federal (STF). O ministro Edson Fachin reduziu a pena de dez anos para sete anos e meio. O benefício foi concedido porque o acordo previa uma 'cláusula de desempenho', ou seja, se as informações compartilhadas fossem úteis, a pena seria reduzida.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.