Foto do(a) blog

Notícias e artigos do mundo do Direito: a rotina da Polícia, Ministério Público e Tribunais

'Parece que eu não tô querendo te dar obra, é isso?'; mensagens trocadas pelo governador do Acre são 'estarrecedoras', diz PF

Investigadores veem diálogos como indicativo de que Gladson Cameli (PP) tentou beneficiar familiares em licitações

PUBLICIDADE

Foto do author Rayssa Motta
Foto do author Fausto Macedo
Por Rayssa Motta e Fausto Macedo
Atualização:
'O que é que eu tenho que fazer? Me diz aí', afirma governador em mensagem ao primo. Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

Conversas de WhatsApp encontradas pela Polícia Federal (PF) em celulares apreendidos na Operação Ptolomeu reforçam as suspeitas de corrupção que recaem sobre o governador do Acre Gladson Cameli (PP). Os diálogos foram classificados como 'chocantes', 'estarrecedores' e 'gravíssimos' pelos investigadores.

PUBLICIDADE

Relatório de 444 páginas subscrito pelos delegados Pedro Henrique Do Monte Miranda e Anderson Rodrigo Andrade De Lima, da Divisão de Combate à Corrupção e Crimes Financeiros da PF no Acre, detalha as trocas de mensagens.

O governador é o principal alvo da investigação conduzida e tem sido apontado nos relatórios parciais do inquérito como o líder de um suposto esquema de desvio de recursos públicos por meio do direcionamento e superfaturamento de contratos, com a ajuda de familiares. Cameli nega as acusações.

Diálogos são classificados como 'chocantes', 'estarrecedores' e 'gravíssimos' pelos investigadores. Foto: Reprodução

A PF chegou a pediu o afastamento do governador, mas a ministra Nancy Andrighi, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), decidiu mantê-lo nas funções, por não ver indícios de que ele tenha tentado usar o cargo para obstruir a investigação. Galdson foi reeleito no ano passado.

Uma das conversas que chamou a atenção da Polícia Federal foi entre Gladson e seu primo, Linker Cameli, apontado como 'gerente' da construtora Colorado, que segundo os investigadores seria controlada por Eládio Cameli, pai do governador.

Publicidade

Diálogos entre governador e primo foram classificados como 'estarrecedores' pela PF. Foto: Reprodução

Em uma mensagem de áudio, em maio de 2020, Gladson se queixa: "Linker, tua mãe mandou aqui essa mensagem, aí eu pergunto aqui: por que é que tu não corre atrás? Parece que eu não tô querendo te dar obra, é isso? Fica um negócio chato para mim, Linker, entendeu? Tu tem que dizer tu tem que se movimentar, ou tu quer que eu vá aí atrás de ti. O que é que eu tenho que fazer? Me diz aí."

Na avaliação da PF, a conversa indica que 'quer dar obras ao primo, bastando que ele lhe diga o que precisa ser feito'. "Absurdamente, Gladson chega a sugerir obras, como se fizessem parte de um cardápio, para que o primo as pudesse escolher", destaca a Polícia Federal.

PF: "Absurdamente, Gladson chega a sugerir obras, como se fizessem parte de um cardápio, para que o primo as pudesse escolher". Foto: Reprodução

Em outra conversa, o governador sugere que o primo acompanhe 'as coisas' e complementa dizendo: "Todo mês eu tô soltando pacote de obras. Depois não pode é vim dizer que eu não tô avisando (sic)."

Para a PF, as conversas 'nada republicanas' indicam que a empresa supostamente controlada pelo pai do governador foi beneficiada em licitações e contratações públicas.

COM A PALAVRA, A DEFESA DO GOVERNADOR

Publicidade

"O governador não cometeu qualquer ilegalidade. A investigação caminha sem conclusão há dois anos e, ao final, servirá para comprovar sua inocência.

O inquérito é todo ele derivado de relatórios encomendados do COAF, que além de tudo são desprovidos de qualquer coerência.

A gestão do Governador Gladson Cameli sempre foi pautada pela ética e eficiência e, não por outra razão, foi reeleito pelo povo do Acre.

Desde o início do inquérito, o governador já prestou os devidos esclarecimentos, colocou-se à disposição das autoridades e assim permanece."

Ticiano Figueiredo, Pedro Ivo Velloso, Tarcísio Vieira de Carvalho Neto e Telson Ferreira, advogados do governador Gladson Cameli.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.