PUBLICIDADE

Foto do(a) blog

Notícias e artigos do mundo do Direito: a rotina da Polícia, Ministério Público e Tribunais

Sob confissão e curso de democracia, mais 13 réus do 8 de janeiro fecham acordo

Procuradoria-Geral da República leva ao STF propostas para homologação que podem livrar acusados de processo por atos antidemocráticos

Foto do author Pepita Ortega
Por Pepita Ortega
Grupos radicais invadirem as sedes dos três Poderes em Brasilia. Foto: WILTON JUNIOR / ESTADÃO

A Procuradoria-Geral da República levou ao Supremo Tribunal Federal mais treze propostas de acordos de não persecução penal (ANPPs) fechadas com réus dos atos golpistas de 8 de janeiro. Com a nova leva de pactos encaminhada ao gabinete do ministro Alexandre de Moraes, chega a 28 o número de acordos que aguardam homologação.

PUBLICIDADE

O Ministério Público Federal também já elaborou mais 93 minutas de acordos, que foram encaminhadas às defesas. Além disso, a Secretaria de Perícia, Pesquisa e Análise atualmente analisa os antecedentes de 126 réus, para que se avalie se é possível oferecê-los o ANPP ou não.

Ao todo, 1.125 denunciados tiveram as ações penais sobrestadas, para que a Procuradoria verifique se eles preenchem os requisitos para o fechamento de ANPPs.

Assim como nos pactos já fechados pela PGR, os réus concordaram em pagar multas de R$ 5 mil e R$ 20 mil, assim como prestar 300 horas de serviços à comunidade, participar de curso sobre Democracia e fechar contas em redes sociais.

Quando o acordo é encaminhado para homologação, o órgão ainda pede a revogação das medidas cautelares aplicadas aos réus, como o uso de tornozeleira eletrônica.

Publicidade

Para firmar os acordos, os réus confessaram o cometimento de crimes de incitação e associação criminosa por participação nos atos de 8 de janeiro.

Tal aspecto do acordo foi ressaltado pelo coordenador do Grupo Estratégico de Combate aos Atos Antidemocráticos, Carlos Frederico Santos. Ele ressaltou, em ofício enviado ao STF, como a necessidade confissão consta da primeira cláusula do acordo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.