PUBLICIDADE

Bolsonaro aguarda aval da família de Levy Fidelix para saber se teria carta branca no PRTB

Presidente avalia filiação ao partido para disputar reeleição

PUBLICIDADE

BRASÍLIA - O presidente Jair Bolsonaro aguarda uma resposta da família de Levy Fidelix para saber se vai se filiar ao PRTB. A negociação tem sido conduzida pelos filhos do fundador da legenda após a morte do pai, no fim de semana. O fator que vai determinar a futura filiação é a disposição da legenda em dar carta branca a ele para alterar o comando de diretórios estaduais e ter peso nas decisões da Executiva Nacional. Ainda não há definição se a família Fidelix está disposta a fechar um acordo nesses termos.

PUBLICIDADE

“Ele (Fidelix) tinha suas posições, era um conservador, era uma pessoa muito parecida comigo nos seus posicionamentos”, disse Bolsonaro, em live, na noite desta quinta-feira, 29. “Perdemos uma pessoa realmente que vai deixar saudades em todos nós.”

Bolsonaro afirmou que pretende definir até o fim desta semana o seu futuro partidário, mas aliados do presidente acreditam que isso pode demorar mais.

O presidente da República, Jair Bolsonaro Foto: Eraldo Peres/AP Photo

O chefe do Poder Executivo recebeu os três filhos de Levy Fidelix na noite de terça-feira, 29, em Brasília. Levy Filho, Karina e Lívia estiveram no Palácio da Alvorada em uma reunião que também contou com a presença de Karina Kufa e Admar Gonzaga, advogados eleitorais de Bolsonaro, e do ministro do Turismo, Gilson Machado.

Levy Filho, que é secretário-geral do PRTB, e desempenha o papel de articulador político da sigla, é o mais entusiasta da ideia de filiar Jair Bolsonaro no partido. Ele se dispôs a dar total controle ao presidente da República. No entanto, a irmã Karina Fidelix resiste a entregar a carta branca a Bolsonaro. Ela tem pretensões de exercer, junto com o marido, Rodrigo Tavares, presidente do PRTB-SP, o comando do partido. Livia, por sua vez, não demonstrou ter opinião fechada sobre dar ou não o aval a Bolsonaro para tomar o PRTB da família. Os irmãos decidiram que vão debater melhor a situação e que a resposta final será dada por Aldineia, viúva de Levy, e atual presidente do PRTB.

Auxiliares do presidente da República afirmaram que não faria sentido Bolsonaro ir para um partido pequeno e não ter o total controle sobre ele. O presidente aguarda um retorno de Aldineia. Se houver autorização para controlar o partido, Bolsonaro irá decidir pelo PRTB. Há também negociações com outras siglas, como PMB, que mudou o nome para Brasil 35, e Democracia Cristã (DC), mas a avaliação no entorno de Bolsonaro é que os outros partidos só serão melhor avaliados se a negociação com o PRTB não tiver sucesso.

Antes de dizer que definiria seu destino partidário até o fim de abril, Bolsonaro havia dado o mês de março como prazo para sua decisão. As frustradas negociações para o retorno ao PSL, no entanto, contribuíram para o atraso na escolha do destino. O vice-presidente do PSL, Antonio Rueda, era quem liderava o diálogo com Bolsonaro.Auxiliares do presidente disseram ao Estadão que a volta dele ao PSL está descartada. A avaliação foi a de que Rueda fez várias promessas de entregar o comando do partido a Bolsonaro, mas recuou na hora de se comprometer e firmar um acordo sobre isso.

Publicidade

Bolsonaro deixou o PSL em novembro de 2019 após desavenças com o presidente da sigla, o deputado Luciano Bivar (PE). O principal motivo para a saída foi a briga por causa do controle do caixa da legenda. Em 2018, o PSL se tornou uma superpotência partidária ao eleger o presidente, 54 deputados, quatro senadores etrês governadores, na esteira do bolsonarismo.Com isso, a legenda deve ter neste ano a maior fatia dos recursos públicos destinados a partidos, de R$ 103,2 milhões.

O Estadão ouviu de integrantes da cúpula do PSL que, para voltar à sigla, Bolsonaro cobrou um "alinhamento ideológico" e a expulsão de deputados que têm feito críticas mais fortes a ele, como Júnior Bozzella (PSL-SP), Julian Lemos (PSL-PB), Joice Hasselmann (PSL-SP) e Delegado Waldir (PSL-GO).

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.