PUBLICIDADE

Bolsonaro ganha apoio nos três maiores colégios eleitorais; Lula fica com PDT e aguarda Tebet

Presidente fecha aliança com Zema, Castro e Rodrigo Garcia; Ciro Gomes endossa acordo com PT, sem citar nome do ex-presidente

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

O presidente Jair Bolsonaro, candidato à reeleição pelo PL, dominou a agenda política ao encontrar os governadores dos três principais colégios eleitorais do País e receber manifestações públicas de apoio no segundo turno. Em eventos em série, o postulante a mais um mandado à frente do Palácio do Planalto reuniu Romeu Zema (Novo-MG), Cláudio Castro (PL-RJ) e Rodrigo Garcia (PSDB-SP), com pronunciamentos ao vivo em televisões e fotos para campanha.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), por sua vez, recebeu a adesão do PDT. Candidato derrotado em quatro disputas presidenciais, Ciro Gomes seguiu o partido e divulgou um vídeo para endossar o apoio, mas não citou o petista nominalmente. O Cidadania também anunciou voto em Lula

Governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro (PL), reeleito no último domingo, 2, declara apoio a Jair Bolsonaro Foto: Evaristo Sá/AFP

PUBLICIDADE

Sem fotos do ex-presidente com Ciro ou Simone Tebet (MDB), terceira colocada na eleição, a onda de apoios à direita fez Bolsonaro largar à frente nas alianças. A região Sudeste, com pouco mais de 40% dos eleitores, é fundamental para a definição do vitorioso no dia 30, e em Minas Bolsonaro ficou atrás do petista.

O primeiro evento foi com Zema, no Palácio da Alvorada. O governador, que já havia indicado adesão a Bolsonaro, disse que sempre dialogou com o presidente e afirmou que neste momento era preciso colocar as divergências de lado. “Acredito muito mais na proposta de Bolsonaro que na do adversário”, afirmou ao declarar endosso a Bolsonaro.

Zema criticou o governo de Fernando Pimentel (PT), seu antecessor. “Foi uma gestão desastrosa que arruinou o Estado de Minas”, disse. “É só perguntar para qualquer prefeito de Minas Gerais o estrago que o PT fez no Estado”, disse o governador reeleito.”

Governador de São Paulo, Rodrigo Garcia (PSDB), assume apoio à candidatura de Tarcísio de Freitas (Republicanos) e de Jair Bolsonaro (PL) Foto: Facebook/Reprodução

Bolsonaro definiu o apoio como “essencial” e “decisivo”. “Dizem que só quem ganha em Minas pode chegar à Presidência da República. Mais que bem-vindo, o apoio do Zema é essencial e decisivo para minha reeleição.”

Já no Palácio do Planalto, Castro, que já era aliado político do presidente, disse que o Rio vai ser a “capital da vitória”. “Não preciso lhe franquear o meu apoio porque isso o senhor já tem desde sempre. Mas (devo) dizer aqui que o Rio de Janeiro vai se superar, já tivemos mais de 800 mil votos de diferença e, agora, vamos sacramentar a vitória”, afirmou.

Publicidade

Depois do almoço, foi a vez de Garcia anunciar que vai atuar pela campanha de Bolsonaro. Derrotado na corrida pelo Palácio dos Bandeirantes, Garcia foi até o Aeroporto de Congonhas conversar com o presidente e anunciar “apoio incondicional”. “Esse apoio do Rodrigo é muito bem-vindo, agradeço de coração. Ele já tinha um amigo e vai ter um melhor amigo ainda para propostas que ele porventura queira sugerir para o nosso governo”, disse Bolsonaro.

Garcia disse ainda que enxerga na candidatura do ex-ministro da Infraestrutura Tarcísio de Freitas (Republicanos) “não só um bom trabalho, mas condição de evitar que PT ganhe em São Paulo”. O governador destacou que seu apoio é uma decisão pessoal, não partidária.

Rodrigo, porém, chegou a ser esnobado. “Vamos estar no palanque juntos? Não. Mas vamos ter adesões do PSDB porque faz sentido”, afirmou Tarcísio, mais cedo, em reunião que confirmou a adesão do PP à sua candidatura.

Pegos de surpresa, aliados de Garcia creditaram a declaração ao ex-prefeito Gilberto Kassab, presidente do PSD e um dos coordenadores da campanha de Tarcísio. Após vários anos de aliança, Kassab virou desafeto de Garcia.

Como mostrou a Coluna do Estadão, o deputado federal Cezinha de Madureira (PSD-SP), um dos coordenadores da campanha de Tarcísio, afirmou que Garcia negociou com Bolsonaro espaço par tucanos em um eventual governo paulista. O PSDB vai deixar o Bandeirantes após 28 anos de domínio.

PUBLICIDADE

Simone Tebet

A senadora Simone Tebet (MDB-MS), terceira colocada no 1.º turno, vai declarar voto nesta quarta-feira, 5, no petista Luiz Inácio Lula da Silva na segunda etapa. O MDB, porém, vai liberar os filiados para que apoiem Lula ou o presidente Jair Bolsonaro (PL), a exemplo do PSDB, que apoiou Simone.

Diretórios de ao menos dez Estados, como os do Nordeste e do Rio – que já estavam com Lula no primeiro turno –, vão repetir o aval ao petista. Mas o ex-presidente Michel Temer deve apoiar Bolsonaro. Simone vai declarar publicamente o apoio a Lula em pronunciamento que fará em São Paulo. /BEATRIZ BULLA, EDUARDO GAYER, GIORDANNA NEVES, GUSTAVO QUEIROZ, IANDER PORCELLA, MATHEUS DE SOUZA E PEDRO VENCESLAU

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.