PUBLICIDADE

Brizolistas atacam Ciro e apoiam Lula no primeiro turno

Ex-pedetistas lembram apoio de Leonel Brizola ao petista em 1989 e 2002; para ex-deputado, presidenciável do PDT é ‘narcisista, egocêntrico e vai para a lata de lixo da história’

Por Fabio Grellet
Atualização:

RIO - Um grupo de cerca de 100 pessoas, admiradoras do ex-governador do Rio Leonel Brizola (1922-2004) e em sua maioria ex-pedetistas históricos, se reuniram na noite desta quarta-feira, 21, para defender o apoio ao ex-presidente e candidato petista à presidência Luiz Inácio Lula da Silva no primeiro turno da eleição presidencial e criticar o candidato do PDT ao cargo, Ciro Gomes. Realizada no Sindicato dos Engenheiros, no centro da capital fluminense, a reunião foi organizada por brizolistas como o professor da Francisco CarlosTeixeira da Silva.

PUBLICIDADE

Ciro subiu o tom dos ataques a Lula nos últimos dias. Em sabatina ´promovida ´pelo Estadão em parceria com a FAAP nesta quarta, 21, o presidenciável criticou a pregação pétista pelo voto último e associou o PT as fascismo. Durante o evento, Ciro criticou a imprensa e driblou perguntas incômodas - por exemplo, sobre aborto.

Leonel Brizola Neto, neto do ex-governador, atual vereador no Rio de Janeiro e candidato a deputado federal pelo PT, esteve presente e foi o primeiro a discursar. Ele relembrou que seu avô apoiou Lula em 1989 e em 2002.

Ciro Gomes foi criticado na reunião que pediu apoio do PDT a Lula no primeiro turno Foto: Wether Santana/Estadão

“Em momentos cruciais da história, Brizola sabia que precisava apoiar quem tinha compromisso com o povo e mais chance de vencer. Foi assim em 1989, em 1994, em 2002. Vamos eleger Lula no primeiro turno”, conclamou.

Outros participantes discursaram, em tom semelhante.

“Ciro é um narcisista, egocêntrico, vaidoso, não entende a história do Brasil e vai acabar na lata de lixo da história”, afirmou Luiz Alfredo Salomão, ex-deputado estadual e federal pelo PDT e hoje filiado ao PT, pelo qual concorre novamente a uma vaga na Assembleia Legislativa do Rio.

A origem da carreira política de Ciro, na Arena e depois PDS (partido que sustentou a ditadura militar de 1964 a 1985), foi lembrada e bastante criticada.

Publicidade

Também foi detalhada a decisão de Brizola de deixar de apoiar Ciro na eleição presidencial de 2002 para dar apoio a Lula. Ao ser informado de que perdera seu apoio, Ciro teria “falado impropérios” a Brizola. Segundo os brizolistas, desde então Ciro “passou a odiar” o líder pedetista.

“Foi uma reunião muito emocionante. Se conseguirmos virar o voto de quem ainda pretende escolher o Ciro, garantimos a vitória de Lula no primeiro turno”, avaliou Teixeira ao final do evento.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.