EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Coluna do Estadão

| Por Roseann Kennedy

Roseann Kennedy traz os bastidores da política e da economia, com Eduardo Gayer e Augusto Tenório

Presença de Nunes Marques na posse de Lewandowski agrada governo Lula e causa ruído na oposição

Deputado Marcel van Hattem diz à Coluna do Estadão que ministro integra ‘consórcio do PT com o Supremo’

PUBLICIDADE

Foto do author Augusto Tenório
Por Augusto Tenório
Atualização:

A presença do ministro Kassio Nunes Marques, do Supremo Tribunal Federal (STF), na posse de Ricardo Lewandowski como ministro da Justiça foi vista com bons olhos pelo governo Lula, mas causou ruído na oposição. O magistrado foi indicado à Corte pelo ex-presidente Jair Bolsonaro, e ainda não tem a mesma proximidade com o Palácio do Planalto da maioria de seus colegas.

Interlocutores do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) enxergaram na presença de Nunes Marques mais um gesto de aproximação com o governo, sobretudo diante do contraste com o ministro André Mendonça. Outro indicado ao Supremo por Jair Bolsonaro, o ex-ministro da Justiça não compareceu à solenidade de posse de Lewandowski, ocorrida nesta quinta-feira, 1º, no Planalto.

O ministro do STF Kassio Nunes Marques. Foto: Fellipe Sampaio/SCO/STF

PUBLICIDADE

O ministro Edson Fachin também faltou ao evento, mas os dois deram expediente no STF horas depois, para a cerimônia de abertura do Ano Judiciário.

Segundo apurou a Coluna do Estadão, o presidente têm interesse em se aproximar de Nunes Marques, e deixou a intenção clara ao avisá-lo que indicaria João Carlos Mayer Soares, um aliado do ministro, à vaga de desembargador do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1).

Apesar do gesto de Nunes Marques, aliados de Bolsonaro tentam minimizar o episódio. Nos bastidores, afirmam que a relação do ex-presidente com o seu primeiro indicado ao STF está inabalada.

Publicidade

O deputado Marcel van Hattem (Novo-RS), vice-líder da oposição, porém, não esconde sua insatisfação. À Coluna do Estadão, o parlamentar afirmou que Nunes “faz parte do consórcio entre PT e STF”, e lembrou que o ministro deu voto favorável à cassação do agora ex-deputado Deltan Dallagnol, antes procurador da extinta força-tarefa da Lava Jato.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.