PUBLICIDADE

PT mineiro quer ajuda de Dilma para impulsionar campanha de Patrus

Petistas acreditam que ato da presidente na capital mineira seria decisivo para alterar quadro das pesquisas

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

Na reta final da campanha, a coordenação da candidatura do ex-ministro Patrus Ananias (PT) ainda tenta articular uma visita da presidente Dilma Rousseff a Belo Horizonte. Para os petistas, a participação da presidente em ato na capital seria uma cartada decisiva para alterar o panorama mostrado pelas pesquisas eleitorais, que indicam possibilidade de vitória em primeiro turno do prefeito Marcio Lacerda (PSB). Enquanto isso, o socialista se apoia em seu principal cabo eleitoral, o senador Aécio Neves (PSDB-MG), com quem desfilou por várias regiões da cidade no fim de semana e nesta segunda, para tentar manter a liderança no pleito.Um dos coordenadores da campanha petista admitiu que "a esperança é pouca" de trazer Dilma à capital, mas ela "ainda existe", principalmente após a participação da presidente em ato do correligionário Fernando Haddad, candidato à Prefeitura de São Paulo, nesta segunda-feira, 1. "Seria o mais correto, já que ela (Dilma) ajudou a articular a candidatura", acrescentou. O próprio Patrus, porém, parece resignado apenas com as declarações da presidente exibidas no material veiculado na propaganda eleitoral gratuita. "A presidente Dilma já manifestou reiteradas vezes seu total apoio a nossa candidatura. Já gravou duas ou três vezes. Temos nos falado e a solidariedade dela é total. Mas ela tem uma agenda presidencial, tem compromissos com o País inteiro", disse.A resignação é reforçada pelo prazo exíguo, pois, após o ato em São Paulo, a presidente representa o Brasil na 3ª Cúpula de Chefes de Estado e de Governo América do Sul-Países Árabes (Aspa), em Lima, no Peru. E, como há debates entre candidatos marcados em emissoras de TV nesta terça, 2, e quinta-feira, 4 - último dia para a realização de comícios -, sobraria apenas a quarta-feira, 3, para um ato com a presidente.Se os petistas contam com a presença de Dilma para forçar uma virada, Aécio considera que a eventual participação da presidente em ato de Patrus não representa ameaça à candidatura de Lacerda. Segundo o senador, que é apontado como provável candidato do PSDB às eleições presidenciais de 2014 mas afirma repudiar a "nacionalização da campanha" na capital, qualquer "tentativa de interferência" externa na eleição de Belo Horizonte "não surtiria efeito". "Na eleição municipal, a população conhece muito melhor do que qualquer estrangeiro que vem aqui às vésperas da eleição dizer vote nesta ou naquela direção", afirmou o senador, que deve voltar à cidade no fim da semana para reforçar a campanha socialista.Desconstrução. Além do apoio de cabos eleitorais como Dilma e o ministro Fernando Pimentel (Desenvolvimento, Indústria e Comércio (Exterior) - que se encontrou com Patrus em carreata no fim de semana -, a campanha petista ainda aposta na "desconstrução" da imagem de Lacerda para reverter o atual cenário. Patrus negou que vá partir para ataques, mas ressaltou que manterá uma "campanha pedagógica" e continuará "falando a verdade" sobre o adversário. "Vamos mostrar o que ele deixou de fazer e promete agora que fará", declarou.Outra arma que a campanha petista avalia usar é um vídeo com uma entrevista do candidato a vice de Lacerda, o deputado estadual Délio Malheiros (PV), concedida cinco dias antes de o parlamentar aderir à campanha socialista. Ele afirma que estará "com quem estiver contra o Marcio" e acusa o prefeito de tentar "abafar candidaturas". Malheiros ainda acusou o então adversário de usar a máquina e revelou que teve informações "em Brasília" de que a prefeitura iria fazer perfurações na capital "dizendo que é o início da obra do metrô". Os trabalhos anunciados pelo deputado realmente foram começados no início de setembro. "O PT estava na prefeitura e ele (Malheiros) era um adversário do PT", avaliou Lacerda. "Não lembro o que tem nesse vídeo. Tenho que ver se foi editado ou não", emendou o deputado. Em conversa gravada com o jornal O Estado de S. Paulo, um assessor do parlamentar, questionado sobre a falha de memória do candidato a vice, foi categórico. "Queira que ele falasse o quê?", indagou. A coordenação da campanha petista, porém, não confirmou se pretende divulgar a entrevista na propaganda eleitoral gratuita.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.