PUBLICIDADE

Omar Aziz cobra Pacheco por crítica a Lula: ‘Tipifique o que é matar 30 mil inocentes’; veja vídeo

Pacheco disse que Senado não iria ‘aderir, compactuar ou se calar’ diante de comparação de Lula entre incursão em Gaza e Holocausto e foi respondido por Aziz, que é de origem palestina

PUBLICIDADE

Foto do author Juliano  Galisi
Por Juliano Galisi
Atualização:

Ao abrir a sessão ordinária do Senado Federal nesta terça-feira, 20, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), presidente da Casa, cobrou do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) um pedido de retratação e desculpas a Israel por ter comparado os ataques israelenses em Gaza com o Holocausto. Coube ao senador Omar Aziz (PSD-AM) cobrar de Pacheco uma satisfação.


'Me tipifique o que é matar 30 mil inocentes', diz senador Omar Aziz (PSD-AM) a Rodrigo Pacheco (PSD-MG), presidente do senado, Foto: Marcos Oliveira

O ex-presidente da CPI da Covid, que é de origem palestina, não gostou das críticas do presidente do Senado e o questionou no plenário: “Me tipifique o que é matar 30 mil inocentes”, disse Aziz a Pacheco. “Quantos terroristas foram mortos com esses ataques?”.

PUBLICIDADE

Durante a sessão, Pacheco disse que o Senado “não pode aderir, compactuar ou se calar diante de qualquer afirmação, de quem quer que seja, inclusive do senhor presidente da República, que compare a ação militar que está ocorrendo na Faixa de Gaza com o Holocausto”.

Segundo Aziz, a fala do presidente brasileiro veio em “solidariedade” aos envolvidos no conflito e consistiu em uma crítica à política militar do governo israelense. Para o senador, é preciso distinguir “o povo judeu, que todos respeitamos” do “governo de direita e sionista de Israel”. Aziz, no entanto, também disse que, na sua avaliação, o paralelo traçado por Lula foi inadequado.

Em resposta a Aziz, Pacheco disse que seu posicionamento não veio em “reprimenda” a Lula. “Não há de minha parte nenhum tom de ‘polemização’, tampouco de reprimenda ao presidente da República. É apenas uma conclamação na busca de pacificação”, afirmou o presidente do Senado.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.