PUBLICIDADE

'Eu vou negar e mandar ir de carro?', diz Bolsonaro sobre parentes em helicóptero da FAB

Parentes do presidente utilizaram helicóptero oficial para ir ao casamento do deputado Eduardo Bolsonaro em maio

PUBLICIDADE

Por Daniela Amorim (Broadcast)
Atualização:

O presidente Jair Bolsonaro admitiu neste sábado, 27, o uso de um helicóptero da Força Aérea Brasileira (FAB) por parentes que foram ao casamento de seu filho, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL/SP), no Rio de Janeiro, em maio deste ano.

“Eu fui no casamento do meu filho. A minha família que tinha vindo do Vale do Ribeira estava comigo. Eu vou negar o helicóptero e mandar ir de carro? Não gastei nada além do que já ia gastar”, disse Bolsonaro a jornalistas, insinuando que tinha direito a dois helicópteros.

O presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia na Vila Militar, no Rio de Janeiro. Foto: Marcos Corrêa/PR

PUBLICIDADE

Bolsonaro se recusou a responder se estava no mesmo voo que seus parentes, que aparecem em vídeo dentro do helicóptero, publicado nas redes sociais. Mais cedo, na chegada ao evento, ele se dirigiu a jornalistas reclamando de ter sido questionado ontem pela imprensa sobre o episódio e dizendo que só responderia a perguntas “sérias”.

“Minha preocupação é com o Brasil. Se errar, assumo o meu erro e arco com as minhas consequências. Até agora pelo que vejo nada errado aconteceu em nenhum momento”, completou o presidente, após participar de cerimônia de formatura de militares paraquedistas na Vila Militar, em Deodoro, zona Oeste do Rio.

Osvaldo Campos, sobrinho de Bolsonaro, publicou numa rede social um vídeo em que ele outros parentes, além do deputado federal Hélio Lopes (PSL-RJ), aparecem entrando na aeronave da FAB. O GSI informou que “por razões de segurança” decidiu que o “presidente e familiares fossem transportados em helicópteros da Força Aérea Brasileira”.

Como o casamento era em Santa Tereza, eles passariam por algumas comunidades perigosas. O sobrinho de Bolsonaro apagou o vídeo da rede social.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.