PUBLICIDADE

Fórum de Davos convida Janot para falar de corrupção

Procurador-geral da República também vai participar de seminário sobre 'lideranças' e discutir cibercriminalidade

Por Jamil Chade e CORRESPONDENTE
Atualização:

GENEBRA - O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, será um dos convidados especiais na edição deste ano do Fórum Econômico Mundial de Davos diante do interesse da comunidade internacional, empresários e políticos estrangeiros sobre qual será o desdobramento do combate à corrupção no Brasil.

Janot viaja no dia 15 de janeiro e tem três palestras programadas. Na Suíça, nos dias 18 e 19, ele vai falar da luta contra a corrupção, participar de um seminário sobre “lideranças” e discutir cibercriminalidade.

Janot se reuniu com o presidente Michel Temer em seu gabinete Foto: Dida Sampaio|Estadão

PUBLICIDADE

A opção de Davos por dar um tratamento especial a Janot marca uma mudança profunda no tom adotado pelo Fórum em relação ao Brasil, que por anos foi considerado como o “queridinho” do evento nos Alpes. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva chegou a receber um prêmio de estadista do ano dos organizadores. Mas, sob a gestão de Dilma Rousseff, a participação brasileira no encontro foi reduzida. A presidente cassada resistiu em diversas ocasiões a participar do Fórum e, nos últimos anos, o País havia passado a fazer parte de um time de segundo escalão no evento.

Cooperação. Além de Davos, Janot vai se reunir com o procurador-geral da Suíça, Michael Lauber. Segundo o Estado apurou, um das intenções é traçar objetivos comuns para uma segunda fase de investigações da Operação Lava Jato relacionadas às mais de mil contas bloqueadas pelos suíços.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.