PUBLICIDADE

Lula critica número de advogados no País e defende mais formandos em áreas da matemática

Presidente condenou quem classifica orçamento em educação e saúde como gasto e não investimento

Foto do author Rayanderson Guerra
Por Rayanderson Guerra

RIO – O presidente Luiz Inácio Lula da Silva criticou nesta quarta-feira, 6, o número de alunos formados em direito no País. Durante cerimônia de credenciamento do Instituto de Matemática Pura e Aplicada (Impa) como instituição de ensino superior, no Rio de Janeiro, Lula disse que é preciso formar mais estudantes em matemática, engenharia e física: “Nada contra. É preciso pegar cursos que são primordiais para o desenvolvimento da nação”.

“Me parece que o Brasil é um dos países que mais formam advogados no mundo. Nem a China e a Índia juntos, que formam 2,6 bilhões de habitantes, formam mais advogados que o Brasil. Nada contra formar advogados. Mas é preciso que a gente forme mais em matemática, engenharia, física… É preciso que a gente pegue aqueles cursos que são primordiais para o desenvolvimento de uma nação, aquilo que o mundo hoje necessita para que a gente possa ser mais competitivo.”

O Brasil é o país com a maior proporção de advogados por habitante do mundo. Ao todo, 1,3 milhão de advogados exercem regularmente a profissão, segundo dados da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Proporcionalmente, há um advogado para 164 brasileiros residentes no país.

O presidente Lula que o País precisa ter mais pessoas formadas em matemática  Foto: Ricardo Moraes / REUTERS

PUBLICIDADE

A Índia tem pouco mais de 2 milhões de advogados, com uma população sensivelmente maior: 1,4 bilhão.

Lula afirmou ainda que o orçamento para educação e saúde não deve ser tratado como gasto. “O Brasil sempre tratou investimento em educação como gasto. Quando você vai fazer o orçamento sempre vai aparecer alguém para dizer que está se gastando demais. Cortar na educação é mexer na qualidade. Quando se corta gastos na saúde, é menos médico”, afirmou o presidente.

O petista participou, ao lado dos ministros Camilo Santana (Educação), Luciana dos Santos (Ciência e Tecnologia), do governador Cláudio Castro (PL) - um apoiador do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) - do prefeito Eduardo Paes (PSD) e lideranças políticas do PT fluminense, de uma cerimônia de credenciamento do Instituto de Matemática Pura é Aplicada (Impa) como instituição de ensino superior, no Rio de Janeiro.

O presidente voltou a evocar uma luta de classes ao afirmar que “as pessoas que não utilizam serviços públicos acham ótimo cortar gastos”.

Publicidade

“As pessoas que não utilizam serviços públicos acham ótimo cortar gastos. Elas não utilizam. Os filhos deles não estudam nas escolas (públicas). Hoje no Brasil é assim: tudo que é para o pobre é gasto. Tudo que é para o rico é investimento”, disse.

Com voz embargada, Lula voltou a citar que foi em seu período à frente da presidência que o País construiu o maior número de universidades na história. Entre 2003 e 2014, período que compreende ainda o primeiro governo da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), foram criadas 18 novas universidades federais e 173 campus universitários.

“Vamos passar para a história como o governo que mais fez universidades nesse País. Vamos levar uma parte do ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica) para o Ceará”, disse.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.