PUBLICIDADE

Lula diz que Juscelino Filho estará fora do governo se não conseguir se explicar

Em entrevista à BandNews FM, presidente diz que convocou ministro das Comunicações para uma reunião na segunda-feira, 6, quando ele deverá se explicar sobre uso do cargo para atividades privadas

Foto do author Julia Affonso
Por Julia Affonso
Atualização:

BRASÍLIA - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou nesta quinta-feira, 2, que se o ministro das Comunicações, Juscelino Filho, não conseguir comprovar sua inocência sobre a revelação do Estadão de que recebeu diárias e usou avião da Força Aérea Brasileira (FAB) para ir a um leilão de cavalos em São Paulo, ele não poderá continuar no governo. Em entrevista à BandNewsFM, o presidente disse que convocou Juscelino para uma reunião na segunda-feira, 6, assim que o ministro chegar do exterior, para que possa definir o futuro de seu subordinado.

“Eu tentei essa semana conversar com o Juscelino, o ministro Juscelino está viajando, está no exterior a serviço do ministério, discutindo num encontro de telecomunicações. Eu já pedi para o [ministro da Casa Civil] Rui Costa para convocar ele para segunda-feira para a gente ter uma conversa porque ele tem direito de provar sua inocência. Mas se ele não conseguir provar sua inocência, ele não pode ficar no governo. Eu garanto a todo mundo a presunção de inocência”, afirmou Lula.

Lula durante a posse de Juscelino Filho como ministro das Comunicações Foto: Ricardo Stuckert/PR

PUBLICIDADE

Uma série de reportagens do Estadão revelou o mau uso do dinheiro público pelo ministro. Juscelino Filho abriu as portas do gabinete das Comunicações para empresários que são sócios ocultos de empresas beneficiadas por ele quando deputado, com verba da União. O ministro recebeu, no gabinete da pasta, seu consultor para compra de cavalos e nomeou até um sócio de empresário aliado do senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ), filho do ex-presidente Jair Bolsonaro e principal rival do petista, para chefiar um departamento nas Comunicações.

Além disso, o jornal mostrou que, quando deputado pelo União Brasil, Juscelino mandou emendas do orçamento secreto para asfaltar uma estrada que corta a própria fazenda em Vitorino Freire (MA). Ele também enviou informações falsas à Justiça Eleitoral para comprovar voos de sua campanha eleitoral.

Nesta quinta-feira, 2, Juscelino devolveu o dinheiro de diárias recebidas do governo para cobrir as despesas da viagem a São Paulo que teve como agenda principal compromissos particulares.

No dia 27 de janeiro, por exemplo, Juscelino foi um dos homenageados na festa do “Oscar do Quarto de Milha”, na capital paulista, anunciada desde novembro. Ao receber a homenagem, o ministro afirmou que pretende alavancar o mercado de equinos.

“Na função de ministro de Estado, agora no Poder Executivo, mas também como deputado federal reeleito para o terceiro mandato, tenham certeza, cada um de vocês, apaixonados pelo cavalo Quarto de Milha, que terão sempre o meu compromisso, enquanto estiver com uma função pública, de poder defender cada vez mais o cavalo e os esportes equestres no nosso País”, disse ele.

Publicidade

Ao discursar na inauguração da “Praça do Roxão” em Boituva, Juscelino se apresentou como integrante da “equipe do presidente da República” e prometeu internet grátis naquele espaço. “Se a gente está vivendo esse momento, muito foi fruto do cavalo Roxão, que tem proporcionado bons momentos na vida de muitos aqui”, disse ele. A participação do ministro na reinauguração da praça também não apareceu em sua agenda oficial nem nas redes sociais. Roxão é o nome de um cavalo do sócio do ministro e foi homenageado com uma estátua no local.

Turismo

Durante a entrevista, Lula também falou sobre o caso da ministra do Turismo, Daniela Carneiro, a Daniela do Waguinho. A proximidade de Daniela e seu marido, o prefeito de Belford Roxo, Wagner Carneiro (União Brasil), o Waguinho, de suspeitos, réus e condenados por ligações com grupos paramilitares da Baixada Fluminense, foram expostas em fotos nas primeiras semanas do governo do petista.

Lula afirmou que o caso da ministra e de Juscelino são distintos. " A Daniela é diferente, a Daniela você pega uma fotografia de alguém em cima de um caminhão com ela em cima de um palanque. Você não pode condenar uma pessoa porque está em cima de um palanque com alguém indesejável”, disse o presidente.

O petista afirmou também acreditar que o caso não seja “maior do que isso (as fotos)”. Segundo Lula, “se aparecer evidência que seja, sairá do governo”.

“Eu tenho uma gratidão pela Daniela, porque a Daniela foi a única deputada da Baixada Fluminense que me apoiou de verdade. Ela e o marido dela. E pagaram um preço muito caro ao governo anterior por terem me apoiado. Perseguição, xingamento na porta de casa, ele teve que mudar até de cidade para dormir”, disse. “Então, eu tenho que ter esse respeito e essa consideração.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.