Lula marca encontro com Lira e líderes no Alvorada para estancar crise com Legislativo

Presidente busca diálogo direto com deputados que reclamam da liberação de recursos pelo governo federal

PUBLICIDADE

Foto do author Iander Porcella
Foto do author Sofia  Aguiar
Por Iander Porcella (Broadcast) e Sofia Aguiar (Broadcast)

BRASÍLIA - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva marcou para esta quinta-feira, 22, às 19h, uma reunião com os líderes partidários da Câmara e o presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL). O encontro ocorrerá no Palácio do Alvorada, residência oficial da Presidência, após a solenidade de posse do novo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Flávio Dino. O objetivo do encontro agendado por Lula é aproximar os deputados do Palácio do Planalto, após uma série de impasses entre Executivo e Legislativo desde o começo do terceiro mandato do petista.

O ministro da Secretaria de Relações Institucionais, Alexandre Padilha, já havia anunciado nesta terça-feira, 20, que Lula se reuniria com as lideranças da Câmara. De acordo com ele, houve uma tentativa de realizar o encontro em dezembro de 2023, mas não foi possível por incompatibilidades de agenda. “[A reunião é] Uma oportunidade da gente retomar esse encontro, esse diálogo, reforçar essa agenda inicial”, disse Padilha.

O presidente Lula convidou Arthur Lira e líderes da Câmara para reunião no Alvorada Foto: Wilton Junior / Estadão

PUBLICIDADE

Apesar de ser o responsável pela articulação política do governo com o Congresso, Padilha perdeu interlocução com Lira. O deputado alagoano ficou incomodado com mudanças em regras para liberação de recursos do Ministério da Saúde e indicou, nos bastidores, que não negociaria mais com Padilha. O ministro da Casa Civil, Rui Costa, foi o escolhido para fazer a ponte entre o presidente da Câmara e o Planalto.

A pauta legislativa que deve ser discutida entre Lula e os líderes da Câmara inclui os vetos do presidente ao calendário de liberação de emendas que havia sido incluído na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2024 e ao valor de R$ 5,6 bilhões em emendas de comissão na Lei Orçamentária Anual (LOA); a reoneração da folha de pagamento; o fim do Perse, programa de incentivo ao setor de eventos, que foi afetado pela pandemia de covid-19; e a limitação das compensações tributárias a empresas por meio de decisões judiciais.

No primeiro ano de governo, Lula reuniu os líderes da Câmara no Alvorada após a aprovação da reforma tributária na Casa, em julho. O primeiro semestre do ano havia sido de embates entre o Planalto e os deputados, que recusaram mudanças feitas por decreto no marco legal do saneamento básico.

Em meio a uma insatisfação generalizada com a demora na liberação de emendas e na nomeação de aliados para cargos no Executivo, os deputados chegaram a cogitar uma rejeição da Medida Provisória (MP) que reestruturou a Esplanada no governo Lula, o que acabaria com vários ministérios.

No segundo semestre de 2023, em outubro, o presidente da República também reuniu líderes partidários da Câmara, em meio à tentativa do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, de aprovar medidas de aumento de arrecadação para melhorar o estado das contas públicas. O encontro ocorreu após Lula entregar o Ministério do Esporte para André Fufuca, do PP, e a pasta de Portos e Aeroportos para Silvio Costa Filho, do Republicanos.

Publicidade

O Centrão, grupo político que domina a Câmara, também está representado na Esplanada pelo ministro do Turismo, Celso Sabino, do União Brasil. Além disso, Lula nomeou Carlos Vieira, aliado de Lira, para a presidência da Caixa Econômica Federal.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.