PUBLICIDADE

Momentos de tensão entre ministros do Lula no dia da invasão ao Planalto; veja vídeo

Flávio Dino e Rui Costa parecem discutir com ministro da Defesa, José Múcio, à noite após depredação do palácio presidencial

Foto do author Julia Affonso
Foto do author Weslley Galzo
Foto do author Tácio Lorran
Foto do author André Borges
Por Julia Affonso , Weslley Galzo , Tácio Lorran e André Borges

BRASÍLIA – A noite do 8 de janeiro colocou ministros do governo Lula em aparente confronto. Reunidos na ante-sala do gabinete presidencial no Palácio do Planalto, um grupo de integrantes do primeiro escalão do governo protagonizou cenas de tensão. Imagens captadas pelo circuito interno do prédio, divulgadas neste sábado, 22, pelo Gabinete de Segurança Instituição (GSI), mostram os ministros em discussão.

O vídeo faz parte do arquivo de mais de 160 horas de gravações que foram enviadas ao Supremo Tribunal Federal (STF) que investiga os atos golpistas de 8 de janeiro. O Estadão teve acesso às filmagens.

PUBLICIDADE

Às 21h47, aparecem nas imagens o ministro da Justiça, Flávio Dino, o ministro da Defesa, José Múcio, e o ministro da Casa Civil, Rui Costa. Àquela altura o presidente Luiz Inácio Lula da Silva já estava no Planalto. Ele aparece em algumas gravações visitando o prédio invadido, mas não estava no momento da discussão entre os ministros.

A câmara captou momento em que Dino se dirige a José Múcio gesticulando. O ministro da Defesa estava ao telefone. Próximo aos dois estavam outros aliados do presidente, os senadores Jaques Wagner (PT-BA) e Randolfe Rodrigues (Rede-AP). Dino sai do quadro da imagem e é a vez de Costa também gesticular falando com Múcio, que permanecia no telefone. A cena aparece no fundo à direita do vídeo.

A atuação das força militares no dia da ocupação foi questionada. Integrantes do governo cobraram de José Múcio sobre atuação dos miliares no episódio. Naquela noite, o presidente Lula tinha dado ordem para retirada imediata do acampamento no Quartel General do Exército. Mas a desocupação e prisão do acampados só ocorreu no dia seguinte.

Confira também:

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.