PUBLICIDADE

Orçamento secreto: Ibaneis Rocha mudou e se alinhou a Bolsonaro na pandemia após ser contemplado

Emedebista havia sido um dos primeiros governadores a fechar escolas, mas disse que restrições não serviam para nada após liberação de verbas

PUBLICIDADE

Foto do author Lorenna Rodrigues
Foto do author Vinícius Valfré
Por Lorenna Rodrigues (Broadcast), Breno Pires e Vinícius Valfré
Atualização:

BRASÍLIA - Depois de ser um dos primeiros governadores do País a fechar escolas e comércio por causa da pandemia do coronavírus, em março do ano passado, o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), mudou radicalmente de postura três meses depois, alinhou-se ao presidente Jair Bolsonaro e disse que “restrições" não serviam para nada. O alinhamento ao discurso do Palácio do Planalto coincide com o processo de liberação de recursos do orçamento secreto por indicação de Ibaneis.

PUBLICIDADE

“(A covid-19) Vai ser tratada como uma gripe, como isso deveria ter sido tratado desde o início”, disse ao Estadão em 29 de junho do ano passado. Na época, não se sabia que, três dias antes, em 26 de junho, o Ministério do Desenvolvimento Regional havia autorizado a execução de uma “cota” do governador do DF de R$ 15 milhões no esquema do orçamento secreto, criado pelo presidente Jair Bolsonaro para aumentar sua base de apoio no Congresso e que, como mostrou o Estadão, contemplou também Ibaneis Rocha.

As opiniões e ações de Ibaneis mudaram entre março e junho, coincidindo com a aproximação do governador com Bolsonaro e a indicação, por ele, de recursos do governo federal para obras e compras de veículos e máquinas para o Distrito Federal e o Piauí, Estado de sua família.

O governador do DF, Ibaneis Rocha Foto: Dida Sampaio/Estadão

Dezessete dias antes de criticar as medidas de restrição, o próprio governador havia dito que iria “até o final” com o isolamento social. No dia 12 de junho, após Bolsonaro publicar decreto incluindo salões de beleza e academias entre serviços essenciais, Ibaneis afirmou que iria contrariar o presidente e manteria os serviços fechados. “Eu fui desde o início nisso (pelo isolamento) e vou até o final, nem que eu tenha que me afundar politicamente", disse o governador ao Estadão na época.

Ibaneis fechou escolas e o comércio do Distrito Federal no início de março do ano passado, logo após a unidade da federação registrar os primeiros casos de contaminação por coronavírus. Tanto ele quanto o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), foram criticados por Bolsonaro pelas restrições à época. “Bolsonaro está dando sinais trocados desde o início do mandato. Está fazendo o que sempre fez. Tenta não ser político, sendo, a vida toda”, declarou o governador do DF, no dia 28 de março.

No fim daquele mês, Ibaneis disse que o último dia da quarentena seria “quando a Organização Mundial da Saúde (OMS) disser que isso acabou, que teremos tratamento e que pudermos sair com segurança”.

Em abril, porém, o governador se aproximou de Jair Bolsonaro. No dia 22, depois de reunião de uma hora com o presidente no Palácio do Planalto, Ibaneis baixou o tom e disse que “o momento é de União”. Ainda assim, ele continuou defendendo o isolamento e adiou para 11 de maio a reabertura do comércio, prevista anteriormente para o início do mês.

Publicidade

No fim de maio, Ibaneis começou a flexibilizar restrições, abrindo parques e igrejas e shoppings em horário reduzido. Mas foi depois de enviar um ofício ao Ministério Desenvolvimento Regional (MDR) indicando como deveriam ser gastos R$ 15 milhões em recursos da Pasta, como mostrou o Estadão, que o governador mudou radicalmente de postura. Deste valor, R$ 7 milhões foram destinadis para o interior do Piauí, em municípios onde Ibaneis tem extensas fazendas de gado. As terras ficam no extremo sul do Estado, a mais de 800 quilômetros de Brasília.

No dia 26 de junho, o presidente da Codevasf, Marcelo Moreira Pinto, e o secretário de Mobilidade e Desenvolvimento Regional e Urbano do MDR, Tiago Pontes Queiroz, assinaram um Termo de Execução Descentralizada determinando a execução de R$ 15 milhões em recurso “proveniente de emenda de relator” “indicado pelo governador do Distrito Federal, Sr. Ibaneis Rocha”.

Três dias depois, Ibaneis defendeu, na entrevista ao Estadão, a reabertura “sem restrições”. No dia 2 de junho, ele decretou a reabertura total de comércio e escolas do Distrito Federal.

Procurada, a assessoria do governador negou que tenha havido mudança de postura. “Ainda hoje há restrições ao funcionamento de determinadas atividades comerciais. A flexibilização vem sendo feita com responsabilidade, a partir de uma série de indicadores da equipe da Secretaria de Saúde”.

 Origem. Nesta quinta-feira, a reportagem voltou a cobrar do governo do DF como se deu a articulação para que o chefe do Executivo local pudesse indicar fatia da emenda de relator-geral do Orçamento – algo que não tem previsão na legislação orçamentária.

Em nota, o Palácio do Buriti informou apenas que "a emenda orçamentária foi proposta pelo senador Eduardo Gomes (MDB-TO)", líder do governo Bolsonaro no Congresso.

O nome do emedebista do Tocantins, porém, não aparece no documento do ministério sobre a destinação de R$ 15 milhões para obras no DF por meio da Codevasf.

Publicidade

Por meio da assessoria, o senador Eduardo Gomes informou que, por ser relator setorial do orçamento, pôde atender demandas para destinar parte da emenda de relator-geral.

Questionado sobre o documento do governo que traz expressamente o governador do DF, Ibaneis Rocha, como o responsável pela indicação de R$ 15 milhões e obras, a assessoria informou que "governador não pode indicar, só quem pode indicar são os parlamentares".

Linha do tempo: As mudanças de Ibaneis Rocha na pandemia

11/03/2020 – O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, é o primeiro do país a determinar o fechamento de escolas e eventos públicos. Na época, o DF tinha dois casos de contaminação por coronavírus.

19/03/2020 – Ibaneis determina o fechamento de todo o comércio, mantendo apenas supermercados, farmácias e padarias abertos.

28/03/2020 – O governador defende a quarentena e critica o presidente. “Bolsonaro está dando sinais trocados desde o início do mandato. O presidente Bolsonaro, desde o início do mandato dele, está fazendo o que sempre fez. Tenta não ser político, sendo, a vida toda."

31/03/2020 – Ibaneis estende a quarentena até o fim de maio “Não tem último dia de quarentena. O último dia será quando a Organização Mundial da Saúde (OMS) disser que isso acabou, que teremos tratamento e que pudermos sair com segurança”, disse ao Estadão na época.

Publicidade

16/04/2020 – Ibaneis marca reabertura do comércio para 3 de maio com exigências como testagem de funcionários e uso de equipamentos de proteção.

22/04/2020 – Depois de reunião de uma hora com Jair Bolsonaro no Palácio do Planalto, Ibaneis baixou o tom e disse que “o momento é de União”.

29/04/2020 – Mesmo após aproximação com Bolsonaro, Ibaneis adia para 11 de maio a reabertura do comércio.

12/05/2020 – Após Bolsonaro publicar decreto incluindo salões de beleza e academias entre serviços essenciais, Ibaneis diz que vai manter serviços fechados. “Eu fui desde o início nisso (pelo isolamento) e vou até o final, nem que eu tenha que me afundar politicamente", disse o governador ao Estadão/Broadcast Político na época.

23/05/2020 – Ibaneis começa a flexibilizar as medidas de restrição e permite abertura de shoppings em horário reduzido.

 30/05/2020 – Ibaneis determina reabertura de parques e igrejas

17/06/2020 – Ibaneis Rocha envia ofício ao Ministério do Desenvolvimento Regionalindicando como deveriam ser gastos R$ 15 milhões em recursos da Pasta provenientes de emenda de relator no Orçamento

Publicidade

26/06/2020 – Presidente da Codevasf, Marcelo Moreira Pinto , e secretário de Mobilidade e Desenvolvimento Regional e Urbano do MDR, Tiago Pontes Queiroz, assinam o Termo de Execução Descentralizada determinando a execução de R$ 15 milhões em recurso “proveniente de emenda de relator” “indicado pelo governador do Distrito Federal, Sr. Ibaneis Rocha”.

29/06/2020 – Governador do DF defende reabertura sem restrições. “(A covid-19) Vai ser tratada como uma gripe, como isso deveria ter sido tratado desde o início”, disse, em entrevista ao Estadão na época.

02/06/2020 – Ibaneisdecreta reabertura total de comércio e escolas do Distrito Federal

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.