PL anuncia que será oposição a Lula e não vai questionar vitória petista

Valdemar Costa Neto critica ‘valores comunistas’ e diz que não há previsão de acionar a Justiça contra resultado

PUBLICIDADE

Foto do author Julia Affonso
Por Julia Affonso
Atualização:

BRASÍLIA - O presidente do PL, Valdemar Costa Neto, anunciou nesta terça-feira, 8, que a sigla será oposição ao governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), vencedor das eleições de 2022. Valdemar deu, no entanto, declarações dúbias sobre a possibilidade de o presidente Jair Bolsonaro vir a questionar o resultado da apuração. Primeiro, ele afirmou que o PL não iria contestar a vitória do petista. Depois admitiu que Bolsonaro poderá fazer isso, se tiver “algo na mão”. E afirmou que é preciso esperar o resultado do relatório feito pelas Forças Armadas e que será entregue ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) amanhã.

“Não temos nada de previsão de entrar (na Justiça), não temos nada. Por enquanto, não temos nada na mão”, afirmou, na primeira entrevista coletiva a veículos da imprensa que concedeu desde fora condenado por envolvimento no escândalo do mensalão. Em seguida, ajustou sua declaração para dizer que Bolsonaro só contestará os números finais das eleições “se tiver algo real”. “Se não tiver, ele não vai fazer isso. Ele já deixou claro isso aí. Nós estamos esperando agora o resultado do relatório do Exército amanhã para ver se tem alguma coisa consistente para que ele possa questionar o TSE”, disse.

O presidente do PL, Valdemar Costa Neto, durante entrevista coletiva realizada na tarde desta terça-feira (08) no centro de convenções Brasil 21 em Brasília Foto: Wilton Junior / Estadão

PUBLICIDADE

O Ministério da Defesa informou que vai encaminhar o resultado de sua fiscalização nesta quarta-feira, 9, para o TSE. O Partido Liberal divulgou, quatro dias antes do 1º turno, um documento em que apontava, sem nenhum tipo de evidência, que as urnas eletrônicas podiam ser fraudadas por servidores do TSE. No documento, o partido repetiu acusações constantemente feitas por Bolsonaro.

Segundo Valdemar, o Ministério da Defesa vai trazer “alguma coisa”. “Não tenho dúvidas disso, porque senão, já tinham apresentado, já tinham liquidado o assunto.” O pronunciamento do presidente do PL foi acompanhado por quadros do partido, com mandatos e eleitos. Aliados ideológicos de Bolsonaro, como os deputados Bia Kicis (DF) e Carlos Jordy (RJ), estavam na plateia. Senadores e o governador eleito em Santa Catarina, Jorginho Mello (PL-SC) estiveram na mesa com o presidente do partido.

A Defesa fiscalizou o primeiro e o segundo turnos das eleições. Em ambos, aliados de Bolsonaro foram eleitos para o Congresso e para o governo dos Estados. Em São Paulo, o ex-ministro do presidente, Tarcísio Freitas (Republicanos) vai comandar o Executivo do Estado após ser eleito no 2º turno. Em Santa Catarina, Jorginho Mello, que estava próximo a Costa Neto, foi eleito governador.

Questionado se a eleição de deputados do PL e de senadores do partido valeram, o presidente do partido disse que “sim”. “Valeu, valeu, lógico que valeu. Nós não estamos questionando”, disse. “Eu acho que nós temos que aguardar o Ministério da Defesa.” Em seguida, a entrevista foi finalizada.

Atos antidemocráticos

Durante a entrevista, Valdemar foi questionado sobre os atos antidemocráticos que pedem intervenção militar na porta de quarteis militares em ações que ocorrem desde o fim do 2º turno em capitais como Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro. Ele se esquivou de responder se condena ou não os pedidos dos apoiadores de Bolsonaro.

Publicidade

Segundo o dirigente do Partido Liberal, “os protestos que estão acontecendo no País, todos dentro da lei, têm o nosso apoio”. “O que o presidente deixou claro é que nós não podemos fazer um movimento que traga prejuízo para o País”, disse.

Na avaliação de Costa Neto, os apoiadores escolheram permanecer na frente de quarteis militares “porque são locais que eles podem ficar protestando sem incomodar a vida de ninguém”. “Pode ser que estejam perturbando também a vida desses quarteis, eu não tenho dúvida disso. Mas o Bolsonaro é o nosso capitão, nós vamos segui-lo no que for preciso”, afirmou.

Cargo e salário para Bolsonaro

O presidente do PL afirmou que o partido quer Bolsonaro “à frente dessa luta que ele construiu” e disse que vai pagar ao presidente “o maior valor” que puder. Segundo a prestação de contas do partido, o próprio Valdemar tem salário de R$ 24,8 mil. O dirigente do partido relatou ainda ter convidado Bolsonaro para ser presidente de honra da sigla e integrar a Executiva Nacional da sigla “para que ele possa continuar cultivando esses milhões de seguidores que ele tem”.

“A estrutura vai ser a que ele necessitar. Ele vai trabalhar, nós temos uma área anexa ao nosso partido, que quero montar a estrutura dele lá”, contou. “O que ele necessitar, nós vamos fazer para ele. É muito importante que ele corra o Brasil, que ele continue fazendo política para que a gente conseguir atingir os nossos objetivos.”

PUBLICIDADE

Valdemar disse que Bolsonaro “aceitou bem a ideia de ajudar no partido, de correr o Brasil”. O dirigente do PL ainda falou do papel que o partido terá no governo Lula. “(O PL) será oposição aos valores comunistas e socialistas, será oposição ao futuro presidente”, disse.

Questionado sobre a possibilidade de votar a favor da PEC da Transição, negociada pelo PT para o orçamento do ano que vem, ou se ficaria na oposição, o presidente do PL relatou ter conversado “longamente esse assunto com o presidente Bolsonaro, sobre a nossa posição”.

“Ele falou que todos esses assuntos têm que levar para a bancada e nós resolvemos juntos. Se é de interesse público, se é de interesse do País, o Bolsonaro me falou isso, nós vamos votar a favor. Mas tudo tem que ser discutido antes”, disse Costa Neto.

Publicidade

Senado

Valdemar anunciou que o PL vai apoiar o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), que tenta a reeleição da Casa, “mas com a garantia que ele nos ajude e trabalhe para eleger o nosso candidato no Senado”. “Nós queremos ter o presidente do Senado”, afirmou. “Nós temos a maior bancada na Câmara e a maior bancada no Senado, não é possível que a gente não tenha a presidência da Casa.”

O presidente do PL relatou que precisará compor com outros partidos para conseguir a presidência do Senado. “Por isso, nós precisamos compor na Câmara para ter sucesso no Senado”, disse. “Nosso pessoal está trabalhando para isso.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.