PUBLICIDADE

Raquel Lyra ou Marília: Pernambuco elege a 1ª governadora da história

Acusações e insinuações envolvendo os campeões de rejeição no Estado marcaram o 2º turno

Por Augusto Tenório
Atualização:

Pernambuco elegerá neste domingo, 30, a primeira governadora, após definir o fim da hegemonia de 16 anos do PSB no Estado. Raquel Lyra (PSDB) e Marília Arraes (SD) disputam o Palácio Campo das Princesas em um segundo turno marcado por acusações e insinuações envolvendo os campeões de rejeição no Estado, o governador Paulo Câmara (PSB) e o presidente Jair Bolsonaro (PL), além de uma batalha paralela de ações judiciais no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-PE).

Ainda no domingo do primeiro turno, recolhida no luto pela morte do marido, Raquel Lyra recebeu o apoio de Miguel Coelho (União Brasil), com quem a tucana tentou a convergência de candidaturas na pré-campanha. Nas semanas seguintes, a ex-prefeita de Caruaru reuniu apoios de legendas como o Podemos e o PP, além de parte expressiva do MDB. O PL de Anderson Ferreira não se posicionou, mas há proximidade.

Parte do PT está com Lyra assim como a maioria do PSB e algumas lideranças da Rede Sustentabilidade. Foto: deputadaraquellyra/Flickr

PUBLICIDADE

A neutralidade na disputa nacional, porém, permitiu que lideranças de esquerda, rivais a Marília Arraes, também se reunissem no seu palanque. Parte do PT, que oficialmente apoia Marília, está com a tucana, assim como a maioria do PSB e algumas lideranças da Rede Sustentabilidade, como o deputado federal Túlio Gadelha. O parlamentar rachou a federação com o PSOL no Estado ao declarar apoio à tucana.

Diante da presença de diversos bolsonaristas e da neutralidade estratégica do palanque adversário, Marília Arraes aposta na associação de Raquel Lyra a Bolsonaro, dono de alta rejeição no Estado. O movimento foi reforçado quando a deputada recebeu o apoio formal de Lula, que no primeiro turno estava oficialmente com Danilo Cabral, candidato do PSB. Ela também conseguiu reunir em seu palanque adversários históricos, como o senador Humberto Costa (PT) e o prefeito João Campos (PSB), apoiadores do ex-presidente.

A batalha de rejeições também envolve o governador Paulo Câmara. Raquel Lyra insiste em colocar a adversária como uma candidata de continuidade após o PSB declarar, numa nota na qual não cita nomes, apoio a Marília Arraes. Em tempo: os socialistas liberaram as bases para apoiar a tucana, o que a candidata do Solidariedade denuncia.

Essa disputa ainda ocupou as inserções televisivas, e também a Justiça Eleitoral. Raquel Lyra venceu diversas ações contra a campanha adversária por causa da associação entre sua candidatura e a de Bolsonaro.

Nessa reta final, Marília Arraes perdeu 49 inserções, mas insistiu nos debates que a neutralidade da tucana é na verdade uma forma de apoiar o atual presidente e enganar lulistas.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.